A investidores europeus, Campos diz que Brasil precisa de 'esforço de governança'

Em viagem a Londres, governador de PE defende rigor na responsabilidade fiscal e diminuição da burocracia; agenda faz parte da estratégia para divulgar imagem de competidor em 2014

Fernando Nakagawa, correspondente da Agência Estado

07 de novembro de 2013 | 09h42

Londres - O governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB), defendeu a responsabilidade fiscal, a reforma tributária e a diminuição da burocracia no Brasil em evento realizado nesta manhã com cerca de 200 empresários e investidores na capital britânica, nesta quinta-feira, 7. Em um seminário para apresentar oportunidades de negócio em seu Estado, Campos defendeu que políticos façam um "grande esforço de governança".

Campos está em viagem pela Europa e articulou agendas na Alemanha e em Londres. As visitas têm como objetivo atrair investimentos estrangeiros para Pernambuco, mas servirá também para que ele se apresente no exterior como possível competidor das eleições presidenciais do ano que vem.

Após apresentar Pernambuco à plateia composta por ingleses e brasileiros, Eduardo Campos afirmou que um dos diferenciais que mais atraíram investimento ao Estado foi a governança. "Temos governança com planejamento e modelo focado nos resultados", disse, ao defender que esse tipo de administração fez com que os investimentos em Pernambuco atingissem patamar quatro vezes superior à média histórica.

Ao ser questionado por um dos presentes sobre a situação atual do País, Campos disse que é "preciso um grande esforço de governança" para que o poder público possa atender as demandas da sociedade, que mudaram recentemente. "Isso obriga os gestores a buscarem o equilíbrio fiscal e também a melhoria da qualidade dos serviços públicos", disse, ao comentar que a sociedade está na era digital, mas o Estado ainda é, muitas vezes, "analógico".

Tudo o que sabemos sobre:
CamposLondres

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.