A íntegra da nota da Petrobras sobre a P-36

Em nota distribuída à imprensa pela manhã, a Petrobras informa sobre o afundamento da plataforma P-36, que sofreu três explosões de causas ainda desconhecidas na última quinta-feira. O documento informa que "Por volta de 2h30, houve uma movimentação brusca da unidade", o que fez com os trabalhos para tentar regastar a estrutura fossem interrompidos por razões de segurança.Leia a íntegra da notaNa medição realizada nas primeiras horas da manhã de hoje constatou-se que houve afundamento da plataforma P-36. Os referenciais do lado boreste da plataforma já se encontram abaixo da linha d?água, o que dificulta as medições. A inclinação também aumentou passando a ser de 31 graus.Na madrugada, por volta de 2h30min, houve uma movimentação brusca da unidade, o que fez com que os barcos e a plataforma que apóiam a operação fossem afastados da P-36 e os trabalhos interrompidos por razões de segurança.Nesse momento, os técnicos envolvidos na operação aguardam garantias de nova estabilização da unidade para retomar os trabalhos.As condições de mar estão melhores. A altura das ondas se situa entre 1,10 e 1,20 metros.A injeção de ar comprimido nos tanques 42 e 43 prosseguiu sem interrupção.Ainda não foram feitos os furos nos tanques 20,21 e 22 localizados no ?ponton?, parte inferior do casco da plataforma, devido a dificuldades técnicas e operacionais. Serão realizados logo que possível.O operador de produção Sérgio Santos Barbosa continua internado no Hospital da Força Aérea do Galeão. Seu estado de saúde é crítico mas estável.Os familiares dos desaparecidos continuam sendo assistidos na sede da Petrobras em Macaé, recebendo apoio médico, psicológico e de assistentes sociais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.