Reprodução/Facebook/Jair Bolsonaro
Reprodução/Facebook/Jair Bolsonaro
Imagem Eliane Cantanhêde
Colunista
Eliane Cantanhêde
Conteúdo Exclusivo para Assinante

A ida de Bolsonaro à Europa deixa um rastro de falas e imagens desoladoras, patéticas

As cenas do presidente dizem tudo: isolado num banco no G-20, papeando com garçons por falta de interlocutores entre os líderes, falando absurdos para um Recep Erdogan mudo e perplexo

Eliane Cantanhêde, O Estado de S.Paulo

02 de novembro de 2021 | 05h00
Atualizado 03 de novembro de 2021 | 11h38

A viagem do presidente Jair Bolsonaro à Europa, fugindo da COP-26, na Escócia, e passando vexame na cúpula do G-20, na Itália, é de deixar qualquer brasileiro morto de vergonha, pela forma e pelo conteúdo. E Bolsonaro volta com o carimbo de “incapaz” que lhe atribuiu o Financial Times, ícone do liberalismo mundial.

As imagens do presidente brasileiro dizem tudo: isolado num banco no G-20, papeando com garçons por falta de interlocutores entre os líderes, falando absurdos para um Recep Erdogan mudo e perplexo e, ainda, dando aquela gargalhada falsa que o filho Flávio imitou no fim da CPI da Covid. Ele mente, ele gargalha, é um peixe fora d’água.

Mais: depois de Bolsonaro dizer ao turco Erdogan que seus problemas se resumem à Petrobras e à imprensa, os seguranças partiram para cima dos jornalistas que cobriam a viagem. Uma baixaria, em frente à bela embaixada do Brasil em Roma. E, nesta segunda, 1º, a polícia italiana reprimiu duramente o “Fora Bolsonaro” no norte do país.

O G-20 abriga as 20 maiores economias e, por pressuposto, seus 20 chefes de Estado ou de governo, mas só aparecem 17 na foto final, na Fontana de Trevi. Bolsonaro, que saíra antes da reunião oficial, durante a fala do príncipe Charles, foi uma das três ausências também ali. Ora bolas, já tinha feito aquele passeio de véspera...

Se foi assim no G-20 em Roma, graças aos céus e a todos os santos (a segunda-feira, aliás, foi o dia deles) Jair Bolsonaro resolveu não botar os pés na COP-26, em Glasgow. Para que discutir Amazônia, ambiente, emissão de gases de efeito estufa? Uma chatice de esquerda, obviamente. Como a tal vacina.

Para sorte geral, o Brasil não é Jair Bolsonaro e está representado na COP-26 por 10 governadores do Consórcio Verde Brasil e por grupos e entidades da sociedade civil, como grandes empresas, líderes indígenas e quilombolas, ONGs respeitadas mundo afora. A índia Txai Suruí, por exemplo, brilhou ao dar o recado certo, para o público certo.

Eles se uniram para driblar a ausência do presidente (que se limitou a enviar um vídeo) e a desimportância da comitiva oficial brasileira, levando planos para o desenvolvimento sustentável da Amazônia, a preservação dos povos ancestrais, o combate aos crimes ambientais e a criação de um mercado global de carbono.

Bolsonaro fugiu da raia (e das “pedradas”), mas o Brasil está lá, ansioso para recuperar um espaço que é seu e ninguém tira, nem mesmo um presidente “incapaz”: o de potência ambiental, que tem muito a preservar, a dizer, a ensinar e a negociar com o mundo a favor do planeta e da humanidade.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.