Análise: A guerra só começou e a economia pode ser a maior vítima

Declaração de Eduardo Cunha torna impossível o cenário político do País e dificulta aprovação de projetos a favor da economia nacional

Marcelo de Moraes, O Estado de S.Paulo

18 de julho de 2015 | 02h05

A declaração de guerra feita pelo presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), ao Palácio do Planalto torna imprevisível o cenário político do País e aponta para a dificuldade cada vez maior de aprovar projetos que ajudem a fortalecer a economia nacional.

Acusado por Julio Camargo, um dos delatores da Operação Lava Jato, de pedir propina de US$ 5 milhões, Cunha teve reação furiosa que fechou os canais para qualquer tipo de relacionamento entre o hoje principal protagonista do Poder Legislativo com o Palácio do Planalto.

Se, inegavelmente, Cunha foi atingido politicamente pela divulgação dessa delação, também é certo que o governo terá, a partir de agora, um inimigo declarado dentro do Congresso. O presidente da Câmara poderá até definhar e desaparecer por conta das acusações que Camargo fez contra ele. Mas, até lá, tentará produzir o máximo possível de estragos ao governo, a quem responsabiliza pelas acusações que sofreu. No primeiro dia da guerra, operou para criar duas CPIs que têm o governo como alvo: a do BNDES e a dos Fundos de Pensão.

O ponto é esse. Se Cunha perde força com as denúncias, o governo também se enrola mais nas dificuldades com o Legislativo. E isso pode se transformar num abraço de afogados, repetindo, por exemplo, a briga que derrubou politicamente os então senadores Antonio Carlos Magalhães e Jader Barbalho.

Planalto e Cunha brigam desde o fim do ano passado, quando o deputado peemedebista colocou na rua sua candidatura à presidência da Câmara e viu o governo e o PT torpedearem sua campanha sem sucesso.

Como presidente da Câmara, Cunha aproveitou a fragilidade do governo para ocupar espaços e trazer para o Congresso o comando da agenda política do País. Agenda essa que o governo espera retomar agora com uma eventual derrocada do deputado, provocada pelas investigações da Lava Jato.

Um dado político importante, porém, é que Eduardo Cunha não foi eleito presidente da Câmara apenas por conta de sua personalidade forte. Ele chegou aonde chegou por ser a voz de todos os parlamentares do Congresso que se sentem escanteados pelo governo nas suas reivindicações - seja de apoio, cargos, verbas, espaço, etc. Cunha tem funcionado como uma espécie de aríete do Congresso nas portas do Executivo, representando seus colegas e seus companheiros do PMDB. E, por conta disso, controla importante força política.

E, nos movimentos de Cunha na guerra contra o governo, o impacto imediato poderá ser sentido na economia, já bastante combalida no primeiro semestre. Com suas articulações políticas, Cunha vai operar para barrar a aprovação de medidas do interesse da equipe econômica dentro do ajuste fiscal. Pode, também, contribuir para ampliar o clima de baixa confiabilidade de investidores externos que poderiam se interessar em atuar no Brasil.

Isso é tudo o que o governo não precisa. Neste momento, o maior desafio da presidente Dilma Rousseff é justamente fazer a economia dar algum tipo de sinal de vida. Principalmente num momento em que os fantasmas do desemprego e da inflação voltaram a assombrar o dia a dia dos brasileiros.

Dados do Caged, referentes ao mês de junho, mostram que o País perdeu 111.199 vagas com carteira assinada neste mês. É o pior junho desde 1992 para o emprego. Isso já representa o fechamento de quase 350 mil postos com carteira no primeiro semestre. Com o desemprego se ampliando, o governo precisa de todo o seu esforço para aquecer a economia.

Com a guerra política deflagrada, entretanto, é impossível garantir a serenidade necessária para que as medidas econômicas possam avançar.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.