"A gente quase acreditava que ele era imortal"

O diretor do Grupo RBS, Jaime Sirotsky, destacou hoje, ao chegar no velório do presidente das Organizações Globo, Roberto Marinho, as dificuldades vividas pelo empresário para construir seu império de comunicação. "Foi uma vida prolífera, longa. Todos nós que estamos ligados à área de comunicação sabemos da importância do doutor Roberto. E ter construído o que ele construiu com as adversidades naturais que quem quer empreender sofre, os riscos que isso representa, já é um salto fantástico. Mas ele ter construído isso em um país como o nosso, ter transformado essa construção em referência internacional, tem ainda significado muito maior. Lamentavelmente, a perda do doutor Roberto, ainda que aos 98 anos, e todo esse processo de construção de uma vida positiva como a dele, é uma perda que vamos sentir muito", declarou. A diretora-geral licenciada da TV Globo, Marluce Dias, divulgou nota na qual afirma: "Acho que a gente quase acreditava que ele era imortal, mas o que ele fez pela liberdade, a naturalidade com que defendia a pluralidade de idéias e a confiança que sempre teve nos profissionais brasileiros são imortais. Elas valem não só pelo que ele fez, mas pelo que continuará sendo feito graças a ele". O apresentador Fausto Silva destacou a profissionalização pioneira que Marinho fez nas Organizações Globo e disse que "apesar das divergências ideológicas e de problemas econômicos e sociais, ele sempre respeitou todo o mundo".Veja galeria de fotos

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.