FELIPE RAU/ESTADÃO
FELIPE RAU/ESTADÃO

À espera de Boulos, PSOL adia escolha de nome para eleição de 2018

Cortejado pelo partido, o líder sem-teto ainda não decidiu se vai participar da disputa pela Presidência

Ricardo Galhardo, O Estado de S.Paulo

03 de dezembro de 2017 | 19h38

O PSOL decidiu adiar até o fim do primeiro trimestre do ano que vem a definição sobre quem será o candidato do partido à Presidência em 2018 para esperar uma decisão do líder sem-teto Guilherme Boulos. Cortejado pelo PSOL, Boulos ainda não decidiu se vai disputar as eleições.

O adiamento foi decidido durante o 6º Congresso Nacional do PSOL, realizado neste fim de semana em Luziânia (GO). No congresso, o partido elegeu o presidente da Fundação Lauro Campos, Juliano Medeiros, de 34 anos, ex-dirigente da União Nacional dos Estudantes (UNE), para presidir a legenda.

++PMDB e PSDB projetam aliança só em três Estados

Segundo Medeiros, havia pressão por parte de correntes do PSOL para que o nome do candidato em 2018 também fosse escolhido no 6º Congresso. Isso inviabilizaria a possível candidatura de Boulos, que pede mais tempo para decidir se vai se filiar a alguma legenda e disputar as eleições do ano que vem.

O líder do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) foi convidado a participar do evento e recebeu acolhida calorosa por parte dos filiados do PSOL.

++'Consultoria de Trump' negocia com candidatos

Em seu discurso, ele evitou assumir a candidatura, mas pontuou posições convergentes com as do partido, como a necessidade de uma reorganização da esquerda depois do impeachment da presidente cassada Dilma Rousseff e das investigações da Lava Jato que atingiram figuras importantes do PT.

A fala de Boulos foi interpretada por lideranças do PSOL como sinal de que o líder do MTST ainda pode aceitar o convite da legenda.

“Foi tomado pelo partido como um desejo dele de pensar o futuro junto com o PSOL”, disse Juliano.

Nas últimas semanas, Lula tentou desistimular Boulos de disputar a presidência pelo PSOL. O líder do MTST é interlocutor próximo do ex-presidente.

Diante das pressões para a escolha rápida de um nome, a ala majoritária do PSOL conseguiu aprovar com mais de 70% dos votos a realização de uma Conferência Eleitoral ainda no primeiro trimestre de 2018 para decidir como o partido vai participar da eleição presidencial. Além de dar mais tempo para Boulos, a manobra fixa um prazo para o líder do MTST tomar uma decisão.

++Marina Silva anuncia pré-candidatura à Presidência

Pessoas próximas a Boulos têm dito que ele só aceitaria se candidatar se Lula for barrado pela Justiça. O PSOL, contudo, não quer esperar a definição sobre as condições eleitorais de Lula para escolher o nome que vai representar o partido na campanha de 2018. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.