Felipe Rau/Estadão
Felipe Rau/Estadão

A empresários, Maia reforça necessidade de isolamento: 'Liberar agora vai ser uma tragédia'

Presidente da Câmara dos Deputados diz que reza pela resistência dos brasileiros e avalia que adiamento das eleições de 2020 criaria "risco institucional"

Emilly Behnke e Camila Turtelli, O Estado de S.Paulo

27 de março de 2020 | 14h51

BRASÍLIA - O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), voltou a defender o isolamento durante o período de crise provocado pelo surto do novo coronavírus. Em evento com empresários do grupo Lide, ele citou o exemplo da Itália e falou em "tragédia" semelhante ao país europeu caso haja uma recomendação contra a quarentena. Ao comentar o adiamento das eleições, Maia disse que questão não é simples e que poderia causar um problema, já que juízes teriam que assumir os mandatos.

“O que vimos em países em que o isolamento acabou rápido foi uma tragédia. Vamos rezar para que a população brasileira tenha um nível de resistência maior que a de outros países”, disse o presidente da Câmara.

Maia destacou a necessidade de evitar o colapso do sistema de saúde. Ele demonstrou preocupação com as classes sociais menos favorecidas, que enfrentam dificuldades de manter o isolamento em residências com muitas pessoas.

Durante a conversa, empresários reclamaram da falta de agilidade do governo. Para Maia, é preciso união dos poderes públicos. "Nesse momento de crise, é ruim atropelar o outro", comentou. Ele sugeriu uma conversa entre as lideranças políticas do País.

"Vamos sentar todos numa mesa, presidentes [dos três Poderes], talvez um governador por região, para que a gente possa abrir um diálogo e construir algo com o que nos une e não com o que nos divide” afirmou.

Adiamento das eleições

Rodrigo Maia avaliou também que adiar as eleições municipais previstas para outubro deste ano não é uma questão simples ante a crise provocada pelo novo coronavírus. Segundo ele, haveria um "risco institucional muito grande" em adiar o pleito.

"Quem assumiria nas prefeituras seriam juízes, não os prefeitos", disse. Maia destacou que a população "vota por quatro anos e não por seis anos". "Isso precisa ser respeitado, no meu ponto de vista", afirmou.

Para o presidente da Câmara, o importante é focar nas medidas atuais de combate ao novo coronavírus e planejar o período pós-crise. "Vamos cuidar dos dois (próximos) meses, vamos garantir previsibilidade, vamos montar um planejamento para depois desse momento mais agudo para que a gente consiga colocar dinheiro para o setor produtivo voltar a produzir", defendeu.

Segundo Maia, uma vez que ocorra a injeção de dinheiro público e a liberação da população aos poucos do estado de isolamento, será possível retomar a economia e pensar nas eleições. "Acho que a gente passa a ter as condições (depois da retomada) de em um prazo de 30, 40 dias realizar as eleições", complementou.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.