A eleição não é domingo que vem. Falta meio ano, diz Alckmin

O pré-candidato à presidente da República pelo PSDB, Geraldo Alckmin, rebateu críticas de que teria poucas intenções de voto nas pesquisas eleitorais. "Há uma certa ansiedade mas estou zen. A eleição não é domingo que vem. Falta meio ano" disse Alckmin em entrevista coletiva durante intervalo no seminário temático de Política Externa promovido pelo PFL, partido que o apóia. Alckmin afirmou que não há campanha ainda porque isso "seria uma ilegalidade". Ele lembrou que o prazo para a campanha começa, juridicamente, a partir da convenção "e, na prática, a partir da campanha na TV e no rádio". "Para mim é até surpresa ter 20%, 21% (de intenções de voto) no Brasil sem nunca ter disputado uma eleição nacional. É um piso alto", afirmou. Alckmin disse também que seu vice será do PFL e o mais natural é que seja do nordeste.Segundo o pré-candidato o PMDB não chegou a colocar a possibilidade de dar um candidato a vice para sua chapa. "Seria ótimo ter uma tríplice aliança (PSDB-PFL-PMDB), mas não depende só de nós. O PMDB decidiu ter candidato próprio. Hoje está rediscutindo. Isso é assunto interno de outro partido", afirmou.Alckmin comentou também a questão das alianças entre o PFL e PSDB ainda não estarem acordadas em todos os Estados. "Temos 27 Estados, incluindo o Distrito Federal e, na maioria deles, estamos reproduzindo a aliança nacional. A política estadual também tem lógica própria. Política é entendimento, isso é natural que ocorra", disse. O presidente do PFL, Jorge Bornhausen, saudou o candidato ao governo do Estado do Rio pelo partido, Eider Dantas, na abertura do seminário. Durante o intervalo, Bornhausen e Alckmin falaram das questões estaduais em sala reservada. À tarde, Alckmin participa do lançamento da candidatura do deputado Eduardo Paes ao governo do Estado pelo PSDB.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.