A chamada economia do cotidiano vai bem, diz Temer

O vice-presidente Michel Temer (PMDB), vice na chapa da candidata à reeleição Dilma Rousseff (PT), disse ser preciso "prestar atenção à nova classe média". "Hoje há a necessidade de um governo com muita eficiência", disse, durante a série Entrevistas Estadão. Segundo ele, "a chamada economia do cotidiano vai bem e isso significa aplauso ao governo."

CARLA ARAÚJO E MATEUS COUTINHO, Estadão Conteúdo

12 de setembro de 2014 | 17h05

Temer lembrou as manifestações de junho e disse que o País tem vivido um processo de democracia há anos. Segundo ele, no governo de Fernando Henrique Cardoso e no de Itamar Franco, o país "tomou um banho de democracia". Agora, segundo ele, a população quer a "democracia com eficiência".

Temer disse ainda defender a ideia do plebiscito para a reforma política, conforme quer a presidente Dilma Rousseff. "A ideia do plebiscito é boa porque a discussão da reforma política no Congresso é difícil", afirmou. Ele ponderou acreditar que o Congresso "vai abraçar" essa causa. Segundo ele, agora o Congresso, incentivado pelo poder executivo, deve conseguir aprovar a reforma política. "Agora vai", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.