Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

'A base trincou há um tempo por falta de discussão', diz José Guimarães, líder do PT na Câmara

Petista afirma que união em torno do governo tem de ter menos quantidade e mais qualidade para presidente enfrentar crise

Eduardo Bresciani,

20 de julho de 2013 | 17h36

BRASÍLIA - Líder do PT na Câmara, José Guimarães (CE) acredita que as manifestações de rua de junho colocaram o partido em uma encruzilhada que vai muito além do racha da bancada. Para ele, PT e governo precisam buscar um caminho para manter o equilíbrio fiscal e atender aos protestos por serviços públicos de melhor qualidade. Esse debate, afirma,passa por uma repactuação da base aliada. Traduzindo: o governo da presidente Dilma Rousseff precisa de menos partidos a seu lado, mas mais fiéis.

O senhor tem falado em repactuação da base. O que é isso?

É uma rediscussão da base na ideia do projeto, de uma profunda identidade com o programa que está sendo executado pelo presidente Lula e, agora, pela presidente Dilma. Quando há divergência, tem de haver espaço político para tratar. O que não pode é isso derivar para ataques ou disputar com o governo. Defendo nitidez política. Prefiro uma base menor, mas que tenha mais identidade programática. Não estou excluindo ninguém. A espinha dorsal da aliança é PT e PMDB. Esses não podem guerrear e temos que recompor.

Está convencido de não ser possível manter coesão com uma base deste tamanho?

Acho que o presidencialismo de coalizão precisa ser repensado para o bem da democracia. A preliminar é ter aliança programática. Temos uma base muito ampla e eu defendo que a gente possa aprimorar, até para não ter conflito. Quem é independente, que fique independente. Agora, quem é base, é base. E, para isso, não precisa de toma lá, dá cá. Temos um projeto. Estamos com a Dilma para a reeleição. A centralidade da aliança para 2014 tem de ser costurada com um núcleo de PT e PMDB

O governo mudou o ministério para atender o PDT e PR, mas nem sempre tem o apoio deles...

Está errado. Temos de sentar e discutir o que cada ministério está executando, ver o grau de identidade. E, na discussão, se não deu, adeus, não precisa morrer. Quem ficar, ficou.

Aliados estão se aproveitando desse momento de dificuldades?

A base trincou por um processo de desgaste que vem há um tempo. Não acho que seja por esse momento (pós-protestos). É um desgaste natural por acúmulo de problemas não discutidos. Essa crise mudou o sinal de amarelo para vermelho.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.