A base do Jandiatuba

Objetivo é coibir entrada de pescadores, caçadores e traficantes no lado leste da Terra Indígena Vale do Javari

09 de dezembro de 2009 | 18h43

Amazônia - O Posto Indígena de Vigilância e Proteção (Pivip) do Jandiatuba é o mais novo dos três geridos pela Frente de Proteção Etnoambiental do Vale do Javari. Foi instalado em 2007.

 

O Pivip fica no rio Jandiatuba, afluente da margem direita do Solimões, que corta a porção leste da Terra Indígena Vale do Javari.

 

O objetivo é coibir a entrada de pescadores, caçadores e traficantes. Funcionários disparam alarmes e usam voadeiras para perseguir infratores, que buscam especialmente a carne do pirarucu, em extinção.

 

Nas instalações permanecem pelo menos quatro pessoas que vigiam a área. Nos arredores, em uma área de 20 quilômetros ao sul, já há registros de malocas e roças de índios isolados, não-contactados.

 

Os funcionários permanecem lotados na base durante 60 dias. E ganham folga de 10 dias para voltar para suas famílias.

 

Veja também:

especial Na trilha dos isolados

link Kukahã: A Casa da Equipe

link Os sonhos da Floresta Amazônica

linkLeia tudo o que foi publicado sobre a Expedição ao Vale do Javari

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.