80 índios morrem na fronteira do Brasil com a Venezuela

Organizações não-governamentais (ONGs) de defesa dos direitos dos indígenas que atuam na Venezuela denunciaram ontem, quarta-feira, 29, que mineiros mataram até 80 ianomâmis na região da fronteira venezuelana com o Brasil. As informações são da emissora britânica BBC. O ataque, de acordo com os relatos, ocorreu no mês passado, na comunidade de Irothatheri, localizada nas proximidades do território brasileiro.

AE, Agência Estado

30 de agosto de 2012 | 10h22

Testemunhas que estiveram no local da matança afirmaram que os mineiros atearam fogo a uma casa comunal dos indígenas, pois encontraram os corpos dos ianomâmis carbonizados ao passar pela tribo. Membros da comunidade indígena têm reclamado de mineiros invadindo suas terras à busca de ouro.

Segundo a ONG Survival International, a demora na descoberta do massacre ocorreu em virtude da remota localização da tribo atacada. A entidade afirmou que as pessoas que descobriram os corpos levaram vários dias para caminhar até a localidade mais próxima.

Organizações de defesa dos ianomâmis afirmaram ter encontrado três sobreviventes e pediram, em um documento dirigido ao governo venezuelano, que Caracas investigue a matança e colabore com o Brasil no "controle e vigilância" de mineiros na região ocupada pelos indígenas.

"Todos os governos com terras na Amazônia devem impedir a mineração ilegal desenfreada, a extração de madeira e os assentamentos nos territórios indígenas", afirmou à BBC Stephen Corry, diretor da Survival International.

A emissora britânica informou que os ativistas pelos direitos dos ianomâmis que atuam na região amazônica já haviam relatado, recentemente, que mineiros ilegais vinham fazendo ameaças aos indígenas e praticando violência contra as comunidades da região. As informações são do jornal O Estado de S.Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
índiosmasscreVenezuelaBrasil

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.