8 anos após crise, PT faz festa para a Ford

Montadora, que deixou RS por causa de Olívio, festeja produção na Bahia

Salvador, O Estadao de S.Paulo

27 Outubro 2007 | 00h00

Um dos símbolos mais marcantes do período de triunfalismo do movimento carlista na Bahia, a fábrica da Ford em Camaçari se tornará na segunda-feira palco de uma grande festa petista. Com a presença do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e do governador Jaques Wagner, a empresa vai comemorar a fabricação do milionésimo veículo produzido em sua unidade de Camaçari. A participação de alguns dos mais importantes integrantes do PT nessa festa seria inimaginável em 1999. Naquele ano, a montadora decidiu trocar suas instalações no Rio Grande do Sul, atraída pelos incentivos fiscais oferecidos pelo governo da Bahia, chefiado na época por César Borges, aliado do senador Antonio Carlos Magalhães. Para o PT, o episódio foi traumático. O governador gaúcho na ocasião era o petista Olívio Dutra, que ficou muito enfraquecido politicamente por perder um investimento desse porte. Quando tentou a reeleição em 2002, acabou derrotado pelo peemedebista Germano Rigotto. Na época, o PT baiano enfrentou grande dificuldade para lidar com a situação - ao mesmo tempo em que não podia ser contra um investimento desse porte no Estado, não podia também aceitar que um governo estratégico para o partido, como o do Rio Grande do Sul, sofresse tamanho baque político. No Congresso, a bancada do PT se reuniu para votar se apoiaria ou não esforços, a fim de tentar manter a empresa no Rio Grande Sul. Essa posição acabou sendo majoritária, apesar de Jaques Wagner, então deputado, garantir ter sido voto vencido na discussão. "É uma coisa que tentam injustamente jogar contra o PT. O PT não foi contra a Ford vir para a Bahia. O que havia era uma discussão, porque o governador Olívio Dutra ainda estava tentando manter a empresa em seu Estado e evitar o fim do contrato. Mas, na medida em que a saída da empresa fosse inevitável, é claro que eu queria que a Ford viesse para a Bahia. Eu perdi na votação da bancada", afirma. Mais recentemente, Wagner estabeleceu uma ligação sentimental com um produto da empresa. Mais precisamente com um Ford Bigode vermelho, de 1929, que comprou e mandou reformar. O carro, que mantém a carroceria original, mas tem motor moderno, está guardado na casa do governador e rodou bastante pelas ruas de Salvador durante a campanha de 2006. "O carro é uma beleza", conta Wagner, abrindo um sorriso.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.