700 mil usuários de Brasília podem ficar sem celular

A capital federal poderá sofrer um "caladão" a partir desta quarta-feira caso as operadoras não consigam obter na Justiça o direito de manter em funcionamento 168 torres de transmissão instaladas perto de escolas e de prédios comerciais e residenciais. Segundo as empresas, o corte atingiria mais de um quarto das 607 torres da cidade e irá interromper, por exemplo, as ligações de políticos e autoridades federais.A paralisação das torres foi recomendada pelo Ministério Público Federal ao Governo local, que aceitou a incumbência. As torres devem ser desmontadas ou ter sua energia cortada a partir de hoje, para que sejam reinstaladas a 50 metros de prédios, como determina uma lei publicada no último dia 7. A medida teria por objetivo evitar possíveis danos à saúde provocados pela irradiação das antenas.Segundo o presidente da Associação Nacional das Operadoras Celulares (Acel), Amadeu Castro, essa medida atingiria imediatamente 688 mil pessoas - 35% dos clientes no Distrito Federal. Em seguida, poderia haver a paralisação de todo o serviço móvel e fixo, pois as pessoas continuariam tentando fazer suas ligações e sobrecarregariam as centrais telefônicas, inclusive onde as antenas continuassem operando.A Acel está tentando obter uma liminar do Tribunal de Justiça do Distrito Federal (TJDF) para impedir a retirada das antenas ou o corte da energia que alimenta as centrais. A entidade também avisou a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) sobre a ameaça de corte de luz e avisou à Companhia Energética de Brasília (CEB) que um eventual corte será considerado descumprimento do contrato de concessão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.