53 dos 81 senadores votarão contra mínimo de R$ 260, diz Paim

O senador Paulo Paim (PT-RS) anunciou que 53 dos 81 senadores votarão contra o salário mínimo de R$ 260. Os votos incluiem partidos da base aliada e da oposição. Pelas contas de Paim, a proposta do presidente Luiz Inácio Lula da Silva não terá apoio de 17 senadores do PFL, 12 do PSDB, sete do PMDB, três do PL, três do PSB, cinco do PDT, dois do PPS e três do PT, além da senadora Heloisa Helena, que está sem partido. Paim advertiu que, mesmo se houver 15% de dissidentes nesse prognóstico a medida provisória estabelecendo o valor de R$ 260 não conseguirá os 41 votos necessários para a aprovação. Por isso, ele apela ao presidente Lula para que busque uma saída negociada entre governo, oposição e base aliada, em torno de um outro reajuste, acompanhado de uma política permanente para o salário mínimo. Paulo Paim propõe, por exemplo, um valor de R$ 300 e que o mínimo passe a ter um aumento real anual correspondente ao dobro do aumento do PIB. Se não houver aumento do PIB, o salário mínimo seria corrigido pela inflação. "Eu me considero alguém que está acendendo a luz vermelha, pois como está não dá para aprovar o salário mínimo", disse. "Se o PT insistir em aprovar a MP e fechar questão terá que expulsar muita gente, principalmente deputados", alertou. Ontem, o presidente da República em exercício, José Alencar, informou ao senador Pedro Simon (PMDB-RS) que fará um apelo aos senadores do PL para que acompanhem a posição do governo. A expectativa dos senadores é de que a medida provisória seja alterada já na Câmara, onde tramita, para evitar a derrota do governo no Senado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.