41 países já assinaram Acordo para o Controle do Tabaco

Já chega a 41 o número de países que assinaram o Acordo para o Controle do Tabaco, que foi concluído há poucas semanas pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e que, desde o último dia 16, está aberto para adesões. O fato é considerado por especialistas da OMS como "histórico", já que os tratados da ONU normalmente podem levar meses ou até anos para ganhar a adesão de países. A convenção prevê o estabelecimento de leis que limitem a promoção, comercialização e distribuição do cigarro. Países como o Brasil, Egito, Finlândia, França, Itália, Espanha e Tailândia já concordaram em fazer parte do tratado, que entrará em vigor assim que pelo menos 40 países consigam que seus congressos nacionais ratifiquem o doumento. De acordo com o tratado, a adesão desse grupo de países já daria o poder para que o tratado fosse considerado como válido na esfera internacional. A Noruega foi a primeira a conseguir uma aprovação de seu parlamento e se tornou, na semana passada, o primeiro país a internalizar as novas leis sobre o comércio do fumo. A diretora da OMS, Gro Harlem Brundtland, afirma que o grupo de países que já colocou sua assinatura no documento é uma prova do interesse da comunidade internacional em combater o cigarro, que mata cerca de 5 milhões de pessoas por ano no mundo. Apesar da rápida adesão dos governos ao tratado, a grande incógnita será saber o que farão os Estados Unidos, Alemanha, China e Japão em relação ao documento. Esses países, juntos, representam mais de 400 milhões de fumantes e uma rejeição ao acordo significaria que pelo menos 30% dos fumantes não seriam atingidos pelas novas leis.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.