350 mil restituições podem atrasar por causa da greve

Os efeitos da mobilização dos servidores federais por aumento de salário e melhoria de condições de trabalho já passaram por passageiros de vôos internacionais, chegaram aos que precisam do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) e ameaçam agora os cerca de 350 mil contribuintes que têm imposto a ser restituído, mas caíram na malha fina no ano passado ou em anos anteriores. Segundo o Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal (Unafisco), a greve da categoria, iniciada no dia 26 de abril, vai atrasar o processo de checagem das declarações sob investigação. "A restituição de quem caiu na malha fina vai atrasar o tempo que durar a greve, e quem iria ser chamado para prestar esclarecimentos, não será", alertou o diretor da entidade Pedro Delarue. Ele ressaltou que não deve haver problemas com as declarações entregues neste ano, já que a maior parte do processo para o pagamento das restituições do Imposto de Renda está informatizada. Ao lado dos auditores da receita, estão em greve funcionários da Polícia Federal, da Advocacia-Geral da União (AGU) e do INSS. Outras categorias de servidores ameaçam parar, entre elas os funcionários do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), das delegacias regionais do Trabalho, do Judiciário e do Ministério Público Federal. Os servidores federais ainda estudam uma greve geral para o início da próxima semana. Auditores fiscaisNo caso dos auditores fiscais, a liberação de cargas em portos e aeroportos também está sendo prejudicada. A situação só está normal no caso de medicamentos e alimentos perecíveis. Segundo o Unafisco, 80% da categoria aderiu à paralisação. Os auditores reivindicam reposição salarial de 127%. O governo propôs gratificação de até 30%, vinculando-a ao aumento da arrecadação, e reajuste de 8,5% aos inativos. Os auditores não aceitaram e preparam protesto para amanhã, em frente ao Ministério da Fazenda, para que sejam recebidos pelo chefe da pasta, Antônio Palocci. No caso da paralisação da PF, cerca de 80% da categoria cruzou os braços, segundo o Ministério da Justiça. Os sindicalistas afirmam que a adesão chega a 90%. Apesar de terem interrompido as operações-padrão nos vôos internacionais, que vinham causando longas filas e esperas no embarque e desembarque, os agentes, escrivães e papiloscopistas prometem "radicalizar" o movimento, já que o governo descartou atender à reivindicação de elevar os salários aos de nível superior - hoje são de nível médio. INSSOutra greve que vem causando transtornos à população é a do INSS, apesar de a adesão não ser maciça. Segundo o último balanço do Ministério da Previdência, a paralisação atinge 15,8% da agências. A adesão da categoria é de 19,3%. Em São Paulo, 34 das 168 agências estão com suas portas fechadas e outras 31 tem prestado serviço de atendimento parcial. O governo já apresentou uma proposta à categoria. Os sindicatos estaduais vão analisar os termos do acordo, que permitirá aos servidores adicionar aos salários ganhos judiciais e retificar planos de carreira. A previsão do governo é que o atendimento se normalize nos próximos dias.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.