35% dos eleitores de SP reprovam governo de Dilma, diz Datafolha

Já em MG, 2º maior colégio eleitoral do País, 34% dos entrevistados consideram ótima ou boa a gestão da atual presidente

O Estado de S. Paulo

17 de agosto de 2014 | 11h32

SÃO PAULO - A mais recente pesquisa do Datafolha sobre avaliação do governo Dilma Rousseff (PT), realizada em oito Estados na semana passada, mostra resultados distintos nos dois maiores colégios eleitorais do País, São Paulo e Minas Gerais. O resultado foi divulgado neste domingo, 17, no jornal Folha de S.Paulo.

Em São Paulo, o maior colégio eleitoral, com 22% do eleitorado, a aprovação à gestão Dilma continua menor do que a avaliação negativa. Os que consideram o governo ótimo/bom somam 24%, oscilação de um ponto porcentual em relação ao levantamento anterior (23%). Enquanto a reprovação ao seu governo está em 35%, uma melhora em relação aos 39% de reprovação de julho. A avaliação "regular" perfaz 39% das respostas. A margem de erro é de dois pontos porcentuais, para cima ou para baixo. Em São Paulo, a pesquisa ocorreu nos dias 12 e 13 de agosto, com 2.045 entrevistados (registro no TSE: SP-00016/2014).

No Estado do candidato rival Aécio Neves (PSDB), o governo Dilma é considerado ótimo/bom por 34% dos entrevistados, ao passo que 26% dizem que é ruim/péssimo. Os demais 38% consideram regular. Em Minas, a pesquisa ocorreu nos dias 12 a 14 de agosto, com 1238 entrevistados (registro no TSE: MG-00063/2014), com margem de erro de três pontos porcentuais.

Em Minas e outros seis Estados, o Datafolha não apresenta comparação por ser a primeira vez este ano que faz esse tipo de pesquisa.

Já o Paraná é onde o eleitorado aparece mais dividido, com um terço (33%) considerando seu governo ruim/péssimo e 31% como ótimo ou bom. Como a margem de erro naquele Estado é de três pontos porcentuais, a pesquisa aponta um empate entre os que aprovam e os que reprovam. Regular é a avaliação de 36% dos paranaenses. A pesquisa ocorreu nos dias 12 e 13 de agosto, com 1.226 entrevistados (registro no TSE: PR-00014/2014).

No Rio de Janeiro, os índices são de 24% para ótimo/bom; 45% regular e 29% ruim/péssimo. Por ter margem de erro de três pontos porcentuais no Estado, não é possível concluir queda na reprovação, mas na pesquisa anterior o Datafolha mostrava 32% de ruim/péssimo no Rio. A pesquisa ocorreu nos dias 12 e 13 de agosto, com 1.317 entrevistados (registro no TSE: RJ-00010/2014).

A aprovação da gestão Dilma tem as maiores taxas nos dois Estados do Nordeste pesquisados, Ceará e Pernambuco; respectivamente com 55% e 39%. No Ceará foram 1.108 entrevistados, de 11 a 13 de agosto (TSE: CE-00013/2014).

No Rio Grande do Sul, também com margem de 3 pontos, o indicador de aprovação é de 38% (ótimo/bom); regular, 37%, enquanto 24% consideram ruim/péssimo. Foram 1.233 entrevistados, de 12 a 14 de agosto (TSE: RS-00009/2014).

O Distrito Federal apresenta a maior taxa de reprovação, 40%; os demais porcentuais são 23% de ótimo/bom e 36% regular, com margem de erro de quatro pontos porcentuais, para mais ou para menos. Nos dias 12 e 13 foram 736 entrevistados (TSE: DF-00029/2014).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.