35,9% não votariam em candidato de Lula; 34,1% sim, diz pesquisa

O apoio do presidente Luiz Inácio Lula da Silva não será fundamental nas eleições municipais de outubro. É o que avalia o presidente da Confederação Nacional do Transporte (CNT) e vice-governador de Minas Gerais, Clésio Andrade, com base nos dados da pesquisa realizada pelo Instituto Sensus na semana passada, e divulgada hoje. De acordo com o levantamento, 35,9% dos dois mil entrevistados disseram que não votariam num candidato apoiado ou indicado pelo presidente nas eleições municipais deste ano. Entretanto há um contingente próximo, 34,1%, que indicaram que poderiam votar num candidato apoiado pelo Palácio do Planalto. Apenas 10,1% afirmaram que só votariam num candidato indicado por Lula. Outros 24% não foram tão categóricos, colocando apenas a possibilidade de votar em um nome sustentado pelo presidente Lula. "O presidente não está se mostrando um bom cabo eleitoral", opinou Clésio Andrade. Para o presidente da CNT, a recuperação da avaliação positiva do governo e do desempenho pessoal do próprio presidente Lula ainda não são suficientes para que um possível apoio nas eleições municipais de outubro seja decisivo. Partidos enfraquecidosO peso da sigla partidária também não interfere na decisão do eleitorado. Das duas mil pessoas entrevistadas pelo Instituto Sensus, entre os dias 3 e 5 deste mês, 73% disseram que não se identificam com algum partido político existente no País hoje. O PT, partido do presidente Lula, foi indicado por 12,5% dos ouvidos como um partido no qual o entrevistado se identifica ou mais confia. A lista segue com PMDB (5,7%), PSDB (2,4%) e PFL (2,2%). "O grau de penetração dos partidos políticos é muito baixo", defendeu o presidente da CNT. O que se percebe é que o voto será decidido pelo perfil do candidato, e não por seu partido ou apoiadores. Dos entrevistados, 25,6% afirmaram que somente depois de conhecer o candidato é que será possível definir o voto.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.