26,1% não conhecem ou ouviram falar de Dilma, diz pesquisa

Dos 72% que afirmaram possuir algum conhecimento sobre a ministra, 32,4% disseram que não votariam nela

Leonardo Goy, da Agência Estado,

01 de junho de 2009 | 12h53

A pesquisa CNT/Sensus realizada no mês passado com dois mil entrevistados revelou que 26,1% do eleitorado não conhece e nem ouviu falar da ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff. Dos 72% que afirmaram possuir algum grau de conhecimento sobre a ministra, 32,4% disseram que não votariam nela.

 

Veja também:

linkDilma e Serra têm empate técnico pela 1ª vez, diz CNT/Sensus  

linkAprovação do presidente Lula sobe para 81,5% 

 

Essa rejeição é maior do que enfrentada pelo governador de São Paulo, José Serra, entre o público que o conhece. De cara, Serra já conta com a vantagem de ser mais conhecido. Segundo a pesquisa, 94,9% dos entrevistados sabem quem é o governador paulista, contra apenas 3,7% que não conhecem. Desses 94,9% que conhecem o tucano, 25,9% não votariam nele.

 

A rejeição do governador de Minas Gerais, Aécio Neves, também é menor do que a de Dilma, mas ele conta com uma taxa de desconhecimento maior, de 33,2%. Dos 65% que sabem de Aécio, 28,5% não votariam nele.

 

O coordenador da pesquisa, Ricardo Guedes, comentou que, apesar de a taxa de rejeição entre os que conhecem Dilma ser maior do que a dos dois principais potenciais oponentes, o porcentual de 32,4% não representa uma rejeição impeditiva para a candidatura da petista. Segundo ele, seriam proibitivas taxas de rejeição entre 35% e 40%.

 

Entre os que conhecem Dilma, 19,5% votariam apenas nela e 35,1% poderiam votar nela. Entre os 94,9% que conhecem Serra, 19,4% somente votariam nele e 43,8% poderiam votar nele.

 

De uma maneira geral, a pesquisa CNT/Sensus mostra um avanço das intenções de voto em Dilma. No cenário do primeiro turno, contra Serra, por exemplo, ela avançou de 16,3% em março para 23,5% em maio. Vale lembrar que o levantamento foi feito em maio, época em que o câncer da ministra já havia sido amplamente divulgado pela imprensa, mas a CNT/Sensus, não fez perguntas relacionadas ao assunto.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.