20 mil protestam em frente ao prédio de ACM

Estudantes e sindicalistas conseguiram ocupar hoje, após duas tentativas frustradas, a frente do edifício Stella Maris, onde mora o senador Antonio Carlos Magalhães (PFL-BA), para realizar um ato pedindo sua cassação. A Tropa de Choque da Polícia Militar, que havia reprimido com violência os manifestantes na semana passada e na quarta-feira, foi retirada do Largo da Graça, onde fica o edifício, minutos antes, o que evitou novo confronto. Em comemoração ao ato, os 20 mil manisfestantes realizaram uma marcha de dez quilômetros pelo centro de Salvador.Apesar da forte repressão da PM que invadiu o câmpus da Universidade Federal da Bahia na quarta-feira e dispersou os manifestantes com bombas de gás lacrimogêneo, os estudantes universitários e secundaristas voltaram a se reunir hoje em frente à reitoria da UFBA, e decidiram promover duas novas passeatas, até chegar em frente do edifício do senador. A passeata foi obtendo a adesão dos estudantes de escolas da área e quando atingiu a Praça Municipal, perto de 20 mil pessoas gritavam palavras contra ACM na maior manifestação de oposição ao líder baiano em Salvador, desde que ele retomou o governo em 1990 quando foi eleito governador do Estado pela terceira vez. O líder do PT na Câmara, deputado Walter Pinheiro (PT-BA), os deputados Nélson Pelegrino, Waldir Pires e Luiz Alberto (todos do PT-BA) participaram da passeata. O líder do PMDB na Câmara, deputado Geddel Vieira Lima (BA), foi vaiado ao tentar participar dos protestos. Acusado de tentar impedir a CPI da Corrupção, ele precisou deixar o local às pressas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.