15 acusados na Operação Sanguessuga continuam desaparecidos

Quinze dos 44 acusados de participarem da chamada máfia das ambulâncias, desbaratada pela Operação Sanguessuga, continuam foragidos da justiça. Os 29 recapturados pela Polícia Federal, até a noite desta quinta-feira, haviam sido libertados terça, em decisão polêmica do Tribunal Regional Federal (TRF) da 1ª Região, com sede em Brasília, revogada no mesmo dia pelo Supremo Tribunal Federal (STF).As buscas, que terão prosseguimento nesta sexta, mobilizam mais de cem homens da corporação em várias partes do País, além do setor de inteligência e dos policiais espalhados nos portos, aeroportos e postos de fronteira. Entre os procurados está o ex-deputado Ronivon Santiago.Entre os recapturados está o ex-deputado Bispo Rodrigues, que se apresentou espontaneamente e está recolhido na Superintendência da PF em Brasília, à espera de ser transferido para Cuiabá, onde se encontram os demais presos. Também foi preso nesta quinta José Wagner dos Santos, contra o qual também foi decretada ordem de prisão pela Justiça.Eles respondem a inquérito na PF, acusados de superfaturar licitações para compra de ambulâncias e influenciar a aprovação de emendas parlamentares. O ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos, lamentou o atropelo judicial que levou a PF a despender energias e recursos públicos, mas ressalvou que tudo acabará dando certo e que justiça será feita.Bastos considerou também "acertada" a decisão dos presidentes da Câmara, Aldo Rebelo (PCdoB-SP), e do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), de remeter ao Ministério Público Federal os autos da investigação dos sanguessugas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.