André Dusek/Estadão
André Dusek/Estadão

TCU deve conceder mais tempo para Dilma explicar 'pedaladas fiscais'

Augusto Nardes, ministro relator do processo na Corte, vai propor em plenário que a presidente se pronuncie sobre irregularidades em prazo 'de oito a dez dias'; prorrogação atende ao interesse do Planalto

Fábio Fabrini, O Estado de S. Paulo

12 de agosto de 2015 | 14h26

BRASÍLIA - O Tribunal de Contas da União (TCU) deve conceder na tarde desta quarta-feira, 12, mais tempo para que a presidente Dilma Rousseff se pronuncie sobre irregularidades nas contas do governo em 2014. O ministro Augusto Nardes, relator do processo na Corte, vai propor em plenário que Dilma seja novamente provocada para que se pronuncie sobre irregularidades que não constaram da notificação enviada a ela em junho.

O pedido de Nardes será submetido aos demais ministros, que terão de aprová-lo. Ao Estado, ele disse que o prazo proposto será o mínimo possível: "De oito a dez dias". Com a decisão, a apreciação das contas de Dilma, que pode precipitar um processo de impeachment no Congresso, deve ficar para setembro ou ainda depois disso. A prorrogação da sessão atende ao interesse do Planalto, que aposta no esfriamento da crise política antes de o TCU deliberar em definitivo a respeito da matéria.

A nova notificação atende a pedido do Senado, que, como revelou o Estado aprovou requerimento pedindo que o TCU conceda mais prazo. O requerimento foi apresentado pelo senador Otto Alencar (PSD-BA) na Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle, sendo aprovado em votação simbólica.

O documento solicita que o TCU provoque novamente a presidente para que ela preste esclarecimentos sobre irregularidades que não constaram da notificação original, enviada em junho. 

Tudo o que sabemos sobre:
TCUpedaladas fiscaisDilma

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.