Zona antipetista tem renda 2,5 vezes mais alta

Mapeamento do Ibope, feito a pedido do 'Estadão Dados', mostra ainda que zona pró-PT concentra 41% dos eleitores

O Estado de S.Paulo

12 de agosto de 2012 | 03h03

Na zona da cidade de São Paulo que vota tradicionalmente contra o PT, a renda média é quase 2,5 vezes maior que a daquela onde o partido costuma vencer as eleições. Lá também há menos moradores que se consideram pretos e pardos e é menor a concentração de jovens com menos de 15 anos.

Esses dados inéditos são revelados graças a um mapeamento do Ibope, feito a pedido do Estadão Dados, que dividiu a cidade em três áreas homogêneas de acordo com o comportamento do eleitorado.

Para mapear as zonas (anti-PT, pró-PT e volúvel) foi preciso promover um casamento de duas bases de dados: a de resultados por local de votação, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), e a do perfil socioeconômico dos moradores por setor censitário, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Com ferramentas de georreferenciamento, o Ibope associou os 1.905 locais de votação nas 58 zonas eleitorais da capital com os 13.193 setores em que os bairros foram divididos para a realização do Censo 2010. Com isso, tornou-se possível cruzar o voto com dados socioeconômicos como renda, sexo, idade e raça da população.

Divisão. Ao analisar o padrão de voto dos paulistanos, o Ibope levou em conta três eleições majoritárias: para prefeito, em 2008, e para governador e presidente, em 2010. Os resultados mostraram que a periferia vota de forma consistente em candidatos do PT, enquanto o centro expandido pende para os candidatos contrários ao partido.

A zona pró-PT concentra 41% dos eleitores, enquanto a antipetista reúne 50%. Os restantes 9% estão em uma faixa intermediária, que pende para um lado ou outro em cada eleição.

Na cobertura das eleições 2012, o Estado usará essa nova metodologia como uma das variáveis na divulgação das pesquisas Ibope. Será possível acompanhar o desempenho de cada candidato nas distintas áreas homogêneas da cidade.

A última pesquisa Ibope foi feita face a face entre os dias 31 de julho e 2 de agosto. Ouviu 805 eleitores em todas as regiões.

Sua margem de erro máxima estimada é de 3 pontos porcentuais, para mais ou para menos, num intervalo de confiança de 95%. Isso significa que, se a pesquisa fosse repetida 100 vezes, em 95 delas um candidato com 50% de intenção de voto poderia ter de 47% a 53%. A pesquisa foi registrada no TRE-SP com o protocolo SP-00198/2012. Foi paga pelo Estado e pela Rede Globo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.