Wilton Junior/Estadão
Wilton Junior/Estadão

Wagner: 'Lula me conhece muito e sabe que vou com ele até o final'

Ex-governador da Bahia deu declaração em Curitiba dias após ter afirmado PT poderia ser vice de Ciro Gomes

Daniel Weterman, O Estado de S.Paulo

03 de maio de 2018 | 19h36

SÃO PAULO - Após visitarem o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na sala especial onde o petista está preso, em Curitiba, a presidente nacional do PT, senadora Gleisi Hoffmann (PT), e o ex-ministro Jaques Wagner reforçaram que o único plano do partido é lançar a candidatura de Lula à Presidência da República.

+ Lula diz a Gleisi que está ‘desconjurado’

A visita ocorreu após o desconforto causado na cúpula do PT com o comentário de Wagner admitindo que o partido poderia aceitar ser vice de Ciro Gomes (PDT) na eleição presidencial. 

O ex-governador baiano procurou reforçar que não trabalha com outro plano além da pré-candidatura do ex-presidente nas eleições. "Ele me conhece muito e sabe que, desde a primeira hora, eu já disse que eu vou com ele até o final de linha", disse o ex-ministro. 

O ex-ministro voltou a falar, no entanto, na possibilidade de Lula não participar da eleição. "Se acontecer a interdição dele, aí no momento a gente vai discutir, lá na frente. Por enquanto nem ele não discute isso." Wagner disse ainda que não "pensa" em outra coisa a não ser caminhar para provar a inocência do ex-presidente. 

+ As razões de Toffoli para manter com Moro ação do sítio contra Lula

Os dois conversaram em momentos distintos com Lula na tarde de quinta-feira, 3, após a juíza Carolina Lebbos, da 12ª Vara de Execuções Penais de Curitiba, autorizar que o petista recebesse visitas de amigos e aliados políticos por uma hora toda quinta-feira, dia destinado aos familiares. Gleisi se reuniu por 40 minutos com Lula, e Wagner ficou outros 20, conforme relato dos dois.

+ Em carta, Lula diz que governo dele foi melhor que o de Temer

Gleisi rechaçou a possibilidade de uma negociação com Ciro Gomes. "Ciro não é a pauta do PT nem da conversa [com Lula]", afirmou a presidente da legenda.

'Desconjurado' 

Gleisi usou a entrevista coletiva após a visita a Lula para reforçar que Lula será o candidato do partido, mesmo preso e condenado em segunda instância, e que o ex-presidente está "desconjurado" com a situação da economia brasileira. A parlamentar citou alguns dados da economia, comparando com os períodos governados pelo PT.

"Ele se disse desconjurado com a situação da economia brasileira. O presidente está muito preocupado com a situação brasileira, não discutimos sobre seu processo, sobre o enfrentamento que tem de fazer. Ele disse que fica pensando no Brasil o tempo inteiro e esse é um dos motivos de ele ser candidato à Presidência da República", declarou a senadora.

+ Lula é acusado por ‘ato legítimo de presidente’, diz defesa

Na tarde de hoje, o PT começou a discutir publicamente o plano de governo de Lula no local onde manifestantes pró-Lula se reúnem, em área próxima ao prédio da Polícia Federal. A presidente do partido afirmou que Lula ficou satisfeito com a discussão sobre o plano de governo ter começado na área econômica e que o petista também pediu para o partido voltar a discutir enfaticamente a situação habitacional do País, solidarizando-se com as famílias vítimas da queda de um prédio ocupado em São Paulo na última terça. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.