Voz de Dilma melhorou, afirma Mercadante

Voz de Dilma melhorou, afirma Mercadante

Antes de encontro com a presidente, ministro diz que petista está 'animada'; próximas horas devem ser usadas para petista se preparar para debate da TV Globo

Mariana Sallowicz, O Estado de S. Paulo

23 de outubro de 2014 | 10h07

Rio - O ministro-chefe da Casa Civil, Aloizio Mercadante, afirmou nesta quinta-feira, 23, que vai se reunir com a presidente Dilma Rousseff, candidata à reeleição pelo PT. Segundo Mercadante, um dos coordenadores da campanha, a petista está "animada" e a "sua voz melhorou".

O ministro não quis conceder entrevista, mas questionado sobre como está a candidata afirmou que estava animada e emendou: "Viu o astral do programa eleitoral ontem? Quem você acha que vai ganhar?".

Em meio à extensa agenda dos últimos dias, Dilma tem apresentado problemas na voz. Nessa quarta, o ministro licenciado Miguel Rossetto, também coordenador de campanha, afirmou que a presidente vive um momento de "estresse eleitoral". A reunião, no hotel Windsor Barra, zona oeste do Rio, será uma preparação para o debate.

O Broadcast, serviço de notícias em tempo real da Agência Estado, apurou que, além de Mercadante, participam do encontro Franklin Martins, ex-ministro e coordenador de redes sociais da campanha e Thomas Traumann, ministro da Secretaria de Comunicação Social da Presidência.


Dilma deve dedicar seu tempo nesta quarta e amanhã para se concentrar para o último debate com o tucano Aécio Neves, que será realizado nesta sexta, pela TV Globo. Não há previsão de agendas externas e o hotel no Rio será a sede da sua campanha nesses dias. Há, porém, expectativa de uma coletiva de imprensa nesta tarde.

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva também fará campanha no Rio nesta quinta, com agendas previstas em São Gonçalo, região metropolitana do Rio, e em Campo Grande, na zona oeste da cidade.

Tudo o que sabemos sobre:
eleições

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.