Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

'Vou conseguir falar um pouquinho de mim', diz Bolsonaro sobre tempo na TV

Candidato à Presidência pelo PSL afirmou que não pretende usar seus 15 segundos de propaganda eleitoral para atacar adversários

Constança Rezende/RIO, O Estado de S.Paulo

24 de agosto de 2018 | 14h59

O presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) diz que vai usar seu tempo na televisão para “falar um pouquinho” de sua vida e que não pretende gastá-lo fazendo ataques a outros candidatos.  “Em 15 segundos, vou conseguir falar um pouquinho de mim, e está bom demais”, afirma.

Segundo o candidato, a campanha também teve uma ideia de chamar os eleitores para “lives” (transmissões ao vivo na internet) durante as inserções na televisão. Assim, eles tentariam aumentar o contato com o público, fora do horário regulamentar, pelas redes sociais.

“Há uma ideia de que, segunda, quarta e sexta, quando há propaganda para presidente, quando começar, sempre nesse horário da noite, a gente fazer uma live e chamar o eleitor (pela televisão)", explicou.

O presidente do partido, Gustavo Bebianno, explica que a produção será feita “por um rapaz que a gente contratou na Paraíba, que é baratinho”. Ele admite que o contrato com “o rapaz baratinho” será feito com a empresa 9Ideia Comunicação, de João Pessoa , na Paraíba.

“Vamos ter que gastar um pouquinho com produção de vídeo,  mas é tudo muito simples. Nosso dinheiro é curto. Vamos gastar R$ 1 milhão no máximo com a campanha toda. A gente come cachorro-quente,  dorme no chão muitas vezes em um quarto com oito pessoas”, diz. 

O contato com a empresa 9Ideia teria sido feito por meio de Julian Lemos, vice-presidente do partido, que é da Paraíba. Nos perfis da empresa nas redes sociais (Instagram e Facebook), é possível ver fotos de Julian em comemorações de aniversário da 9Ideia e um vídeo em que ele toca no violão o jingle da campanha.

Julian recusou-se a dar entrevista ao Estado, alegando que a mídia “distorce informações”.

O candidato a vice-presidente da chapa de Bolsonaro, general Hamilton Mourão, explica que, em princípio, não deverá aparecer nas peças publicitárias “porque não é o candidato”. 

“O candidato é ele (Bolsonaro). Ninguém vota no vice, vota é no presidente. Nosso tempo é tão pequeno que não dá”, justifica.

As redes sociais tem sido centrais na estratégia do candidato na corrida presidencial. Bolsonaro é o candidato com o maior engajamento de seguidores na internet. Em julho, levantamento do Estado encontrou 83 páginas de seguidores do capitão que fazem campanha e beneficiam o candidato do PSL. Essas páginas quadruplicam sua relevância na rede, em relação ao alcance da página oficial de Bolsonaro.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.