Gabriela Biló/Estadão
Gabriela Biló/Estadão

Crescimento de voto feminino em Bolsonaro é maior no Sul e Sudeste

Para diretora do Ibope, Márcia Cavallari, decisão na corrida presidencial não deve vir no 1º turno; baixa rejeição de Ciro ajuda no 2º turno contra o militar

Ana Beatriz Assam, O Estado de S.Paulo

04 Outubro 2018 | 10h13

A intenção de voto do público feminino do candidato à Presidência pelo PSL, Jair Bolsonaro, chegou a 26%, seu melhor desempenho desde o início do perído eleitoral. A informação é da última pesquisa Ibope/Estadão/ TV Globo divulgada nessa quarta-feira, 3. Com esse índice, o voto feminino em Bolsonaro dobrou desde o início das pesquisas eleitorais em agosto, quando figurava com 13%. 

“O que percebemos é que as mulheres que hoje declaram voto ao Bolsonaro têm um perfil mais semelhante ao dos homens: renda mais alta, maior escolaridade e mais concentrado em Sul e Sudeste”, afirmou a diretora do Ibope, Márcia Cavallari, nesta quinta-feira, 4, em entrevista à Rádio Eldorado.

Segundo Márcia, os resultados da pesquisa apontam para um provável segundo turno entre Bolsonaro e o presidenciável do PT, Fernando Haddad, considerando que não houve nenhuma movimentação mais significativa entre os outros candidatos. Além disso, Bolsonaro tem 30%  e Haddad, 19% de intenção de votos na pesquisa espontânea (quando o nome dos candidatos não é apresentado), o que representa “um voto muito forte, muito consolidado”. 

Uma vitória em primeiro turno, no entanto, seria mais difícil. “A possibilidade existe, mas é muito pequena”, disse Márcia. “Nos últimos dias o eleitor se movimenta mais, mas teria que ser uma movimentação muito brusca e em todo o País”. 

Márcia também explica por que, apesar de estar em terceiro nas intenções de voto, o candidato do PDT, Ciro Gomes, é o único que não empata tecnicamente com Bolsonaro no segundo turno. Segundo a diretora do Ibope, a rejeição dos candidatos conta muito nessa situação. Apesar de serem os candidatos mais votados, Bolsonaro e Haddad são também os que têm maior rejeição, 42% e 37%, respectivamente. O candidato do PDT, por outro lado, tem 16% de rejeição, o que o ajuda na simulação de segundo turno com Bolsonaro. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.