Vitória em Manaus cria 'base' tucana no Norte

Artur Virgílio chega aos 65,65% dos votos e vence Vanessa Grazziotin, do PC do B

ALFREDO JUNQUEIRA , ENVIADO ESPECIAL , O Estado de S.Paulo

29 de outubro de 2012 | 03h09

Ao obter 603.483 votos (65,95% do total), o ex-senador tucano Artur Virgílio Neto conquistou mais do que a eleição a prefeito de Manaus. A vitória representa uma nova base para o PSDB. Com a derrota em São Paulo, os tucanos passaram a considerar a eleição na capital do Amazonas - a sexta maior do País - como a mais importante para o partido este ano. A senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB) teve 311.607 votos (34,05% do total).

Virgílio ainda venceu a presidente Dilma Rousseff e o ex-presidente Lula, que se engajaram pessoalmente na campanha de Vanessa Grazziotin. Os dois foram a Manaus participar de comícios a favor de Vanessa.

Dois anos depois de perder a reeleição ao Senado justamente para Vanessa, o novo prefeito de Manaus obtém sua revanche e volta a ser um importante quadro da oposição nacional.

Após o anúncio oficial, Virgílio fez um discurso no qual anunciou uma reforma administrativa e informou que vai procurar a presidente Dilma para formalizar parcerias em projetos de infraestrutura, como a construção de BRTs (linhas expressas de ônibus articulados). Segundo ele, a disputa eleitoral ficou para trás.

"Os palanques acabaram", disse. "Nesta eleição enfrentamos forças poderosas e vencemos. Não foi uma vitória minha ou do meu vice. Nem foi por causa dos nossos apoios. Nós as vencemos porque encarnamos o sentimento de mudança do povo."

Apesar da sinalização, Virgílio alfinetou os adversários. Disseque sua vitória representaria a independência de Manaus e a cidade estava "acima de mandonismos e caciquismos".

Apoio. O tucano também contou com um cacique nacional para reforçar sua campanha na reta final. Na quarta-feira, o senador e provável candidato do PSDB à presidência em 2014, Aécio Neves (MG), foi à capital do Amazonas para participar do comício de encerramento de campanha.

Vanessa se disse vítima de uma campanha suja e afirmou que pretende escrever um livro sobre a disputa. Após o resultado, disse que não se sentia derrotada. "Recebo de maneira serena e digo que foi um aprendizado muito grande", disse ela, que retoma amanhã as atividades no Senado.

MANAUS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.