'Vitória dos fichas-sujas traz uma frustração geral'

A decisão do Supremo Tribunal Federal, anteontem, de devolver o cargo de senador a Jader Barbalho (PMDB-PA) "gera um sentimento de frustração na sociedade e deixa a lição de que lutar não vale a pena", adverte o cientista político Marco Antonio Teixeira, da FGV-SP. Muitos dos milhares de cidadãos que participaram da campanha pela Ficha Limpa, diz ele, "vão concluir que o mundo político vive fora da realidade e não aceitarão mais entrar em ações como essa no futuro".

Entrevista com

GABRIEL MANZANO, O Estado de S.Paulo

16 de dezembro de 2011 | 03h04

Qual o impacto, a seu ver, das decisões do STF validando os cargos dos fichas-sujas?

Essa vitória dos fichas-sujas, pois aí se inclui a confirmação dos cargos de João Capiberibe (PSB-AP) e Cássio Cunha Lima (PSDB-PB), traz um sentimento de frustração geral na sociedade. A Lei de Ficha Limpa nasceu dela, foi debatida com entusiasmo. Pretendia enquadrar os partidos, que só se interessam pelos tais puxadores de votos. A decisão deixa tudo em suspenso.

Para muitos o Supremo fica como vilão da história. É justo?

Aí há vários aspectos. O Congresso tinha obrigação de tomar cuidado, não deixar criar tantas expectativas. Lá tem 40% de advogados, que sabiam bem dos desafios que a lei tinha pela frente. Mas o Judiciário, que no caso se limitou a aplicar a lei, piorou as coisas com sua habitual lentidão. Deixou outros dois políticos assumirem, votarem as leis, para acabar decidindo, no final, que eles não tinham legitimidade para isso.

O sr. acredita que o episódio já passou e agora a lei vai valer?

Não se pode garantir, a história não acabou. O Supremo espera a posse da ministra Rosa Weber, depois vêm as férias, Há a questão, que alguns vão forçar, do trânsito em julgado de decisões, A sentença definitiva pode sair lá pelo meio do primeiro semestre, a poucos meses das eleições de 2012. E com o risco de não valer também desta vez.

A que o sr. atribui tanta dificuldade numa questão que devia ser clara e simples?

Se há de fato um vilão nessa história, são os partidos. Se nossas lideranças partidárias se preocupassem com a qualidade no recrutamento de candidatos, o País nem precisaria de uma lei de Ficha Limpa. Mas a saída seria mexer na lei dos partidos, coisa que os políticos não querem fazer de jeito nenhum..

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.