Visita da esposa a Cachoeira na prisão: R$ 60 mil

Andressa alugou jatinho para ir a presídio federal encontrar o contraventor

O Estado de S.Paulo

06 de abril de 2012 | 03h04

O contraventor Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, que está no Presídio Federal de Mossoró (RN) há um mês, recebeu ontem a visita da mulher, Andressa Alves de Mendonça, de 30 anos. Ela chegou a Mossoró cedo e foi direto para a sede do presídio, onde ficou até as 14 horas. De lá, retornou direto para Goiânia.

No aeroporto, Andressa tentou evitar os jornalistas, mas depois aceitou dar uma rápida entrevista. Disse estar certa de que o marido "esclarecerá" todas as acusações de pagamento de propina a políticos e o envolvimento de parlamentares no esquema de jogos de azar.

Questionada sobre as recentes críticas feitas por ela dizendo que o Brasil era um País hipócrita, a mulher de Cachoeira afirmou que se referiu não ao jogo do bicho, mas à loteria.

Segundo Andressa, provavelmente na próxima semana o advogado de Cachoeira, o ex-ministro da Justiça Márcio Tomaz Bastos, deverá entrar com pedido de habeas corpus. Ela disse ainda que o marido vai se pronunciar sobre as denúncias. "Primeiro ele (Cachoeira) vai olhar as acusações e depois vai se pronunciar", informou. Acompanhada de um homem e duas mulheres, Andressa embarcou para Goiânia.

Essa foi a segunda visita da mulher de Carlinhos Cachoeira no Presídio Federal de Mossoró. Assim como fez na semana passada, ela ontem desembarcou em jatinho particular pela manhã e deixou a cidade à tarde. O custo do frete da aeronave, segundo fontes do aeroporto, é de R$ 60 mil pelo trajeto de ida e volta. O pequeno aeroporto Dix-Sept Rosado, em Mossoró, está ativo apenas para aeronaves particulares, pois não há linha regular.

Vestindo roupas de grife e usando óculos escuros, Andressa aparentava tranquilidade. Mas ao ser abordada pela reportagem e ser questionada sobre jogo do bicho, a mulher de Cachoeira mudou a expressão, em visível desconforto, e afirmou que não daria entrevistas. Nervosa, chegou a confundir o portão de embarque com o de desembarque. / ANNA RUTH DANTAS, ESPECIAL PARA O ESTADO

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.