Vinhos caríssimos com cartão de contraventor

Escuta revela que Demóstenes encomendou a Cachoeira cinco garrafas de Cheval Blanc, safra 1947; no Brasil a unidade custa cerca de R$ 30 mil

ALANA RIZZO , FÁBIO FABRINI / BRASÍLIA , O Estado de S.Paulo

29 de abril de 2012 | 03h06

Apesar de declarar ser dono de um patrimônio pessoal modesto, o senador Demóstenes Torres (sem partido-GO) esbanjava nos gastos com vinhos caríssimos.

Dono de uma das adegas mais invejadas de Brasília, o senador encomendou ao contraventor Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, cinco garrafas de Cheval Blanc, safra 1947, tido como um dos melhores vinhos do mundo.

A compra aparece em escutas autorizadas feitas pela Polícia Federal, às quais o Estado teve acesso, dentro das investigações da Operação Monte Carlo.

A aquisição foi realizada em agosto do ano passado e chama a atenção pelo seu alto valor. No Brasil, cada garrafa custa o equivalente a R$ 30 mil.

Mas o esquema de Cachoeira conseguiu uma "pechincha" e comprou as cinco garrafas por aproximadamente US$ 15 mil (cerca de R$ 28,2 mil).

Se não bastasse o custo elevado da compra, o pagamento revela mais uma vez a relação de grande intimidade do senador com Carlinhos Cachoeira.

O pagamento, a pedido de Demóstenes, foi feito no cartão "do nosso amigo aí", referindo-se ao contraventor.

Nos EUA. Segundo as escutas feitas pela Polícia Federal, Carlinhos Cachoeira pede a um de seus assessores que encontre o vinho que Demóstenes quer em uma loja nos Estados Unidos.

Gleyb Ferreira da Cruz, um dos principais auxiliares do contraventor, obedece às ordens do chefe e localiza cinco garrafas do Cheval Blanc. O preço mostra o padrão do gosto do senador. Duas das garrafas saem por US$ 2.950 e outra três por US$ 2.750.

Gleyb liga para Demóstenes e avisa que encontrou cinco garrafas do vinho. Três delas estavam com o rótulo estragado.

"Compra tudo", ordena Demóstenes. "Nada a ver", diz ele sobre o problema nos rótulos.

"Mete o pau", afirma. "Para muitos, é o melhor vinho do mundo de todos os tempos", sentencia o senador.

"Manda trazer. Passa o cartão do nosso amigo. Depois a gente vê", avisa, instruindo que o cartão de crédito de Carlinhos Cachoeira fosse utilizado para fazer a aquisição.

'Sem noção'. A compra chegou a chocar até mesmo os outros integrantes da organização criminosa.

Em outra conversa gravada, agora com Geovani Pereira, espécie de tesoureiro do grupo e que continua foragido, Gleyb Ferreira da Cruz comenta a "falta de noção" do preço dos vinhos. "Esse povo tá ficando louco", diz Gleyb. "Sem noção", responde Geovani, aparentando surpresa. "Era 14 e pouco e ainda tirei mais 400", conta Gleyb se gabando do "desconto" conseguido. "Uma garrafa custa isso?", reage surpreso Geovani. "Cada garrafa custa R$ 30 mil aqui", dispara Gleyb.

As interceptações mostram o gosto em comum por bons vinhos entre o contraventor Carlinhos Cachoeira e o senador Demóstenes.

Nas conversas, os dois sempre marcam encontros para tomar um "vinhozinho" e também comentam aquisições.

Tudo o que sabemos sobre:
CPI do CachoeiraDemóstenes Torres

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.