Magalhães Jr./Photo Press
Magalhães Jr./Photo Press

Witzel é eleito o novo governador do Rio de Janeiro; veja o resultado da eleição

Com 100% das urnas apuradas, candidato do PSC obteve quase 60% dos votos válidos na disputa do governo do Rio de Janeiro

O Estado de S.Paulo

28 de outubro de 2018 | 17h34
Atualizado 28 de outubro de 2018 | 22h57

O candidato Wilson Witzel, do Partido Social Cristão (PSC) é o novo governador do Estado do Rio de Janeiro. Com 100% das urnas apuradas, Witzel obteve 59,87% dos votos válidos. O segundo colocado, o candidato do Democratas (DEM), Eduardo Paes, recebeu 40,13% do total.

Os votos brancos somaram 3,68% do total, nulos foram 13,38% e a abstenção foi de 24,07%.

Saiba quem é Wilson Witzel, governador eleito do Rio de Janeiro

A vitória do ex-juiz federal pode ser explicada por seu alinhamento a Bolsonaro, o posicionamento como outsider e o discurso duro quanto à segurança pública e ao combate da corrupção.

Sua vitória pode ser explicada por seu alinhamento a Jair Bolsonaro (PSL), seu posicionamento como ‘outsider’, seu discurso duro quanto à segurança pública e ao combate da corrupção e a associação de Paes ao grupo político até então hegemônico no Rio, entre eles, o ex-governador Sérgio Cabral (MDB), preso pela Lava Jato.

Nascido em Jundiaí, no Rio desde os 19 anos, Witzel começou a corrida como completo desconhecido da população. Fez discurso duro anti-corrupção e de enfrentamento do caos na segurança pública, prometendo endurecer contra o tráfico de drogas e “abater criminosos armados de fuzil’.

Ele foi servidor público com passagens pela Marinha, o Instituto de Previdência do Município do Rio (Previ-Rio) e a Defensoria Pública. Hoje, é sócio de escritórios de advocacia.

Atuou como professor de direito e foi juiz por 17 anos, com passagens pelo Espírito Santo e o Rio. Foi presidente da Associação dos Juízes Federais do Rio e do Espírito Santo. Deixou a toga e o salário bruto de R$ 29 mil afirmando que iria “varrer a corrupção do Estado” e as “raposas da política”.

Ocorrências durante a votação

De acordo com o Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro (TRE-RJ), até às 14h30, 401 urnas haviam sido substitúidas no Estado. O município com mais urnas substituídas foi a capital, onde 208 registraram problemas. Em seguida, vem Nova Iguaçu, que registrou problemas em 28 equipamentos.

Apesar dos problemas, a diretora do TRE-RJ informou que o segundo turno das eleições de 2018 está mais tranquilo do que o primeiro turno, quando várias seções registraram filas e problemas com a biometria. A votação está mais rápida e as seções eleitorais estão sem fila.

“O processo está muito tranquilo. Temos registro de uma ligação para a central telefônica a cada 3 minutos. Isso é muito pouco”, disse Adriana.

Candidatos votaram pela manhã

Os dois candidatos ao governo do Rio de Janeiro se mostraram confiantes ao votar neste domingo, 28, no Rio de Janeiro. Wilson Witzel (PSC) disse que a expectativa é de vitória, ao chegar para votar por volta da 9h, no bairro do Grajaú, na zona norte do Rio. O candidato, nos últimos dias de campanha, perdeu espaço para o adversário Eduardo Paes (DEM), segundo as pesquisas.

O candidato ao governo do Estado do Rio pelo DEM, Eduardo Paes, se mostrou confiante na vitória ao votar na manhã deste domingo, no Gávea Golf Club, em São Conrado, na zona sul do Rio. Mas, por via das dúvidas, passou na Igreja da Penha antes, para rezar e fazer uma promessa. Ele chegou ao local de votação por volta das 9h30, acompanhado da mulher, dos dois filhos e do candidato a vice-governador em sua chapa, Comte Bittencourt.

“Estou animado e bastante otimista porque as pesquisas mostram uma curva ascendente e do adversário descendente. Estou confiante que os eleitores vão saber escolher aquele que tem condições para governar o estado”, disse logo que chegou na zona eleitoral. 

Dois mesários faleceram no Estado

Dois mesários morreram neste domingo, 28, no Rio de Janeiro, após passarem mal durante o processo de votação. João Carlos Felix teve um infarto fulminante na manhã deste domingo, 28, em uma zona eleitoral de Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense. No início da tarde, Andreia Cristina Duarte Gouveia, de 51 anos, passou mal em uma seção eleitoral no Tijuca Tênis Clube, na Zona Norte da capital. Ela foi levada para uma Unidade de Pronto-Atendimento (UPA) próxima à seção, mas não resistiu. Segundo o Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro (TRE-RJ), ela também teve um infarto.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.