Ed Ferreira|Estadão
Ed Ferreira|Estadão

No Piauí, Wellington Dias (PT) é reeleito no primeiro turno

Candidato do PT garantiu a reeleição no estado; Ciro Nogueira (PP) e Marcelo Castro (MDB) foram eleitos para o Senado

Thaís Araújo, especial para o Estado, O Estado de S.Paulo

07 Outubro 2018 | 18h01
Atualizado 08 Outubro 2018 | 15h32

Com 100% das seções apuradas, o candidato Wellington Dias (PT) é reeleito governador do Piauí. O petista possui, até o momento, 55,65% dos votos válidos. Em segundo lugar, aparece o candidato Dr. Pessoa (Solidariedade), com 20,48% dos votos válidos. Em terceiro lugar, o candidato Luciano (PSDB), obteve 17,30% do total. 

O porcentual de abstenções foi de 15,71%. Votos brancos somam 63.237 (3,17%), e nulos totalizam 197.5051 (9,89%).

Senado

Para o Senado, Ciro Nogueira (PP) foi eleito com 29,92% dos votos válidos. A outra vaga ficou com Marcelo Castro (MDB), que recebeu 27,06% do total de votos. 

Wellington Dias é eleito para 4.º mandato como governador

Assim que anunciado o resultado, Wellington Dias declarou: "É um novo mandato, é uma sequência em busca de alcançar um padrão internacional de desenvolvimento para o Piauí até o ano de 2022, conforme me comprometi uma década antes. Nossas prioridades serão educação, qualidade de vida e uma economia forte que possibilite a geração de emprego e renda." Ele comemorou a vitória com correligionários em um clube da zona Leste de Teresina.

A vice-governadora será Regina Sousa, que era atual senadora do Piauí, também pelo PT.

Antes de ser reeleito para este 4.º mandato como governador do Piauí, Wellington Dias foi vereador de Teresina, deputado estadual, deputado federal e senador. Funcionário público da Caixa Econômica Federal, o ex-líder sindical é o principal nome do PT no Piauí atualmente e ganhou todas as eleições para o governo do Estado ainda no 1º turno.

Com 3.264.531 de habitantes, segundo a estimativa do IBGE para 2018, o Piauí tem uma economia baseada em atividades diversificadas, com destaque para o setor de serviços, responsável por 78% do PIB estadual, seguido pelo setor industrial (13%) e a agropecuária (7,8%). 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.