Felipe Rau/Estadão
Felipe Rau/Estadão

Em Pernambuco, Paulo Câmara vence no primeiro turno

Segundo colocado, senador Armando Monteiro (PTB) teve 35,99%; candidatos reeditaram a disputa de 2014, quando o pessebista também venceu no primeiro turno; os candidatos Humberto Costa (PT) e Jarbas Vasconcelos (MDB) se elegeram para o Senado

Marcelo Montanini e Kleber Nunes, O Estado de S.Paulo

07 Outubro 2018 | 18h10
Atualizado 08 Outubro 2018 | 18h25

PERNAMBUCO - O candidato do PSB, Paulo Câmara, foi reeleito neste domingo, 7, governador de Pernambuco. Com 100% das urnas apuradas, Câmara teve 50,70% dos votos.

O segundo colocado, senador Armando Monteiro (PTB), teve 35,99%. Os candidatos reeditaram a disputa de 2014, quando o pessebista também venceu no primeiro turno. Em terceiro lugar, com 4,97% ficou Dani Portela (PSOL).

Seguido de Julio Lossio (Rede), 4,67%, e do ex-deputado Maurício Rands (PROS), 3,43%; e Simone Fontana (PSTU), 0,24%. Os votos brancos somaram 6,84% e os nulos 22,99%. Abstenções 17,90%. Câmara assume o governo para um novo mandato de quatro anos.

Antes de ser governador, Câmara, que é formado em ciências econômicas, foi secretário de Administração do governo Campos entre 2007 e 2010. No mesmo ano, passou a responder pela Secretaria de Turismo e, em janeiro de 2011, assumiu o cargo de secretário da Fazenda até 2014. Com 9.496.294 habitantes, segundo o Censo 2018, Pernambuco tem uma economia diversificada, com destaque para o setor de serviços, responsável por 76,1% do PIB estadual, seguido pela indústria (20%) e agropecuária (3,9%). O estado tem 6.570.072 eleitores distribuído entre 184 municípios e o distrito de Fernando de Noronha.

Apoio a Haddad

Em seu primeiro discurso como governador reeleito de Pernambuco, Paulo Câmara resumiu o resultado da eleição local a agradecimentos e promessas de retomar o crescimento do emprego no Estado, e conclamou a militância e os eleitores a trabalharem em prol do segundo turno presidencial. Câmara disse que "estava a disposição para a construção do Brasil".

"O País precisa ser discutido porque tem muita coisa para consertar. Vamos ajudar (Fernando) Haddad a fazer o Brasil ser feliz de novo. A resistência começa em Pernambuco", declarou.

Eleita vice-governadora, a presidente nacional do PCdoB, Luciana Santos, disse que "é preciso construir uma frente antifascista" em torno de Haddad. A estratégia, segundo ela, para reverter o placar de 46,09% de Jair Bolsonaro (PSL) contra 29,19% do petista será vincular o deputado à imagem do presidente Michel Temer (MDB).

"Ele se apresenta como um candidato da antipolítica, mas viveu a vida toda como deputado, e um deputado oportunista. Bolsonaro votou a favor de todas as medidas de Temer", disse. Com a vitória, o PSB deve completar 16 anos de governo ininterruptos. "Temos a honra de continuar o legado de Eduardo Campos e é o que vamos continuar fazendo nos próximos quatro anos", disse Câmara.

O governador acompanhou a apuração dos votos em um hotel na zona sul do Recife acompanhado dos senadores eleitos Jarbas Vasconcelos (MDB) e Humberto Costa (PT), do filho mais velho do ex-governador Eduardo Campos, João Campos, que foi eleito o deputado federal mais votado do Estado, e sua mãe Renata Campos.

Senado

Com 100% das urnas apuradas, os candidatos Humberto Costa (PT) e Jarbas Vasconcelos (MDB), ambos da Frente Popular, encabeçada pelo governador de Pernambuco, Paulo Câmara (PSB), foram eleitos para o Senado, com 25,76% e 21,51%, respectivamente. Eles terão oito anos de mandato a partir do ano que vem.

Os dois eleitos deixaram para trás os candidatos, deputados federais Mendonça Filho (DEM), com 19,58%, Bruno Araújo (PSDB), com 13,91%, e Silvio Costa (Avante), com 10,23%.

Costa, que é formado em medicina e jornalismo, está no Senado desde 2011. Antes, o petista foi deputado estadual entre 1990 e 1994 e deputado federal entre 1995 e 1999. No ano seguinte, elegeu-se vereador do Recife, mas deixou o cargo para assumir a Secretaria de Saúde da Prefeitura do Recife, no governo João Paulo, onde ficou até 2003, quando assumiu o Ministério da Saúde no governo Lula até 2005. Dois anos depois, assumiu a Secretaria das Cidades de Pernambuco no governo Campos até 2010.

Já Vasconcelos, que já foi senador entre 2007 e 2015, retorna à Casa Alta, após cumprir o terceiro mandato na Câmara dos Deputados de 2015 até hoje. Os outros dois foram de 1975 a 1979 e 1983 e 1985. Contudo, a carreira do emedebista iniciou em 1971, quando se elegeu deputado estadual. Elegeu-se prefeito do Recife entre 1986 e 1988 e 1993 e 1996 e governador de Pernambuco de 1999 a 2002, sendo reeleito de 2003 a 2006.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.