Samuel klickSam/ Arquivo Pessoal
Samuel klickSam/ Arquivo Pessoal

Witzel surpreende no Rio e vai ao 2º turno com Paes

Candidato do PSC obteve 41,28% dos votos válidos; Paes conquistou 19,56%; Flávio Bolsonaro e Arolde de Oliveira estão eleitos para o Senado

O Estado de S.Paulo

07 Outubro 2018 | 18h00
Atualizado 08 Outubro 2018 | 13h46

O primeiro turno para o governo do Rio teve um resultado inesperado, que as pesquisas não foram capazes de antecipar. O ex-juiz federal Wilson Witzel (PSC), que começou a campanha como um desconhecido, mal pontuando nos levantamentos, alcançou 41,28% dos votos válidos, após declarar apoio ao presidenciável Jair Bolsonaro (PSL). Já o ex-prefeito da capital Eduardo Paes (DEM), líder de todas as sondagens até a véspera, chegou em segundo lugar, com 19,56%. Os dois se enfrentarão no 2º turno.

Tarcísio Motta (PSOLrecebeu 10,72% dos votos; Romário (Podemos), 8,70%; Pedro Fernandes (PDT), 6,11%; Indio da Costa (PSD), 5,95%; Marcia Tiburi (PT), 5,85%; Marcelo Trindade (Novo),1,14%; André Monteiro (PRTB), 0,46%. A abstenção foi de 23,60%.

Nulos somaram 12,72% e brancos, 5,670%. Os votos em Anthony Garotinho (PRP), que estava em segundo lugar nas pesquisas e teve a candidatura barrada pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), não foram computados.

Witzel se apresentou ao eleitor como um político não profissional, mas com experiência no combate à corrupção e à criminalidade. São dois temas centrais desta corrida ao Palácio Guanabara, por causa do escândalo de cobrança de propinas do ex-governador Sérgio Cabral Filho (MDB) – preso desde novembro de 2016 e condenado a mais de 100 anos de prisão – e da situação caótica da segurança, com números recordes de homicídios, inclusive os cometidos pela polícia. 

SENADO

Flávio Bolsonaro (PSL) e Arolde de Oliveira (PSD) conquistaram as duas vagas para o Senado, com 31,36% e 17,06% dos votos, respectivamente. Em terceiro ficou Cesar Maia (DEM), com 16,67% e Lindbergh Farias (PT), 10,17%.  Chico Alencar (PSOL), com 9,17%.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.