Veja as propostas feitas por Marta, Alckmin, Kassab e Maluf

Nesta sexta é a vez da candidata Soninha Francine (PPS); série de sabatinas em SP vai até a próxima segunda

Redação,

04 de setembro de 2008 | 08h17

 Os candidatos Marta Suplicy (PT), Geraldo Alckmin (PSDB), Gilberto Kassab (DEM) e Paulo Maluf (PP) já participaram da série de sabatinas do Grupo Estado em São Paulo. Os três primeiros colocados nas pesquisas de intenção de voto mais recentes à Prefeitura de São Paulo e o deputado federal responderam a perguntas de jornalistas e internautas por duas horas.   Veja também: Especial: Perfil dos candidatos Blog: confira as principais declarações de Alckmin e Marta na sabatina Veja gráfico com a última pesquisa Ibope/Estado/TV Globo Vereador digital: Conheça os candidatos à Câmara de SP  As regras para as eleições municipais  Tire suas dúvidas sobre as eleições de outubro   Na sua participação, Marta fez um mea-culpa ao dizer que um de seus erros, quando foi prefeita, foi tentar fazer muito em pouco tempo e contar com uma situação financeira difícil e um orçamento engessado. "Acho que errei a mão", disse ela, numa referência a algumas medidas que adotou para suprir a falta de recursos no caixa da cidade, como a criação de taxas de lixo e de luz. E disse que se for eleita em outubro deste ano, vai acabar com o Imposto Sobre Serviços (ISS) para profissionais autônomos. "Esse compromisso eu posso fazer. Não vou diminuir, vou acabar com o ISS para autônomos na cidade", prometeu, ao participar hoje da primeira das sabatinas que o Grupo Estado promove com os candidatos à Prefeitura da capital paulista.   Já o candidato do PSDB negou na última terça-feira que seu partido esteja rachado. Para ele, as disputas internas são naturais e o PSDB marchará unido."O prefeito (Gilberto Kassab) não é do meu partido. O DEM tem todo direito de ter candidato". No entanto, ele acredita que seu partido tem mais chances de vencer um eventual segundo turno com Marta Suplicy. "O PSDB tem força em São Paulo e teve candidato em todas as eleições. Temos mais chances de vencer PT no segundo turno do que o Kassab".   O prefeito e candidato à reeleição pelo DEM, Gilberto Kassab, prometeu na quarta-feira que não aumentará a tarifa de ônibus (de R$ 2,30) no ano que vem. Ele defendeu a cobrança de pedágio no Rodoanel para reduzir o número de caminhões que entram na cidade. No entanto, descartou a implantação do pedágio urbano, proposta que chegou a ser encaminhada à Câmara Municipal em agosto deste ano e depois retirada. "Não é justo socialmente (o pedágio urbano). Iria privilegiar os ricos", disse. Ele afirmou ainda que o rodízio de caminhões contribuiu para a fluidez do trânsito e para a redução de acidentes.   Kassab disse ainda que "acredita muito que irá ao segundo turno" deste pleito, mas ainda não sabe contra quem. Ele negou que haja feridas abertas com a divisão ocorrida no PSDB, quando uma parte do partido refutou a candidatura de Alckmin para apoiar a sua reeleição, e frisou que num eventual segundo turno todos estarão juntos. Se reeleito, o prefeito garantiu que ficará os quatro anos no cargo.   O candidato Paulo Maluf (PP), um dia após seu 77º aniversário, anunciou que não tem a menor intenção de se aposentar caso perca a disputa pela Prefeitura de São Paulo."Espero ganhar essa eleição, mas vocês vão me ver, por bem ou por mal, em todas as demais eleições", disse.   Nesta sexta-feira, a candidata do PPS, Soninha Francine, será sabatinada. Em seguida, será entrevistado Ivan Valente (PSOL), que fechará o ciclo. Todos respondem a perguntas e apresentam suas propostas para as principais áreas da cidade. Logo após a transmissão, o vídeo da sabatina estará disponível no estadao.com.br.   Leitores podem se inscrever (clique aqui) para participar dos encontros, no auditório do Grupo Estado, ou interagir pela internet, encaminhando as suas perguntas por e-mails. Um resumo das propostas será publicado, no dia seguinte a cada evento, nas páginas do Estado.

Tudo o que sabemos sobre:
Eleições 2008sabatina Grupo Estado

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.