Veja a íntegra do debate 'Estadão', Gazeta e Twitter entre candidatos à Prefeitura de SP

Evento reuniu os seis principais nomes da disputa na capital paulista

O Estado de S.Paulo

18 de setembro de 2016 | 22h13

BLOCO 1

>>[Maria Lydia] Boa noite. Começa agora o debate entre os candidatos à Prefeitura de São Paulo, promovido pela TV Gazeta em parceria com o Estadão e o Twitter. Estão presentes Celso Russomanno, João Doria, Marta Suplicy, Major Olimpio, Fernando Haddad e Luiza Erundina. Esse debate está sendo transmitido ao vivo pela TV Gazeta, Rádio Gazeta am, Portal da TV Gazeta, TV Estadão e pelo periscope do Twitter. Vamos agora ver as regras desse primeiro bloco. No primeiro bloco candidato responde a pergunta de jornalistas. Os jornalistas decidem quem responde e quem comenta. O candidato tem direito a tréplica. Cada candidato responde apenas uma pergunta, e comenta apenas uma vez. O tempo para a pergunta é de 30 segundos, para resposta é de um minuto e meio. O comentário e a tréplica tem 30 segundos cada um. O candidato que se sentir ofendido por injúrias ou difamação, poderá pedir o direito de resposta. Se a consultoria jurídica reconhecer o pedido, o candidato terá um minuto. Eu quero lembrar que os celulares devem estar desligado ou no modo silencioso, e não serão permitidas manifestações da plateia. O jornalista da TV Gazeta Rodolpho Gamberini faz a primeira pergunta.

>> A minha pergunta é candidata Marta. Michel Temer é acusado de corrupção, Renan Calheiros é acusado de corrupção, Romero Jucá também, Eduardo Cunha acusado de corrupção, Valdir Raupp acusado de corrupção, Jader Barbalho também. Todos eles são do PMDB, partido que a senhora escolheu quando deixou o PT, depois de 33 anos de militância, ao descobrir o esquema de corrupção. Qual foi a base da sua escolha? Eu quero que o comentário seja feita pelo candidato Erundina.

>>[Marta Suplicy] Eu deixei o PT por uma série de circunstâncias, partido com o qual eu fiquei absolutamente desiludida, não apenas pela questão da corrupção, mas também pela questão dos dirigentes do PT. Irei no rumo de perpetuação do poder de um sistema orgânico de corrupção, o partido perdeu a razão de ser. Foi um sofrimento, uma decepção enorme, o que me levou também como as acusações do petrolão. O PMDB não tinha nada a ver com aquilo. Eu saí. Eu sou a Senadora pelo Estado de São Paulo, eu tinha que escolher um partido forte, grande. Eu vi que não tem um partido grande e estruturado que me desse a possibilidade de estar ali ou todos tinham. Eu escolhi o PMDB, o partido que me pareceu onde eu poderia melhor desempenhar as funções como Senadora da República do maior estado brasileiro. Em relação às investigações, eu apoio a lava jato, não importa quem seja não, tem ninguém melhor ou pior. Que vá até o fim com todos.

>>[Maria Lydia] Agora o comentário de Luiza Erundina.

>>[Luiza Erundina] A candidata é incoerente. Eu não sei que tipo de combate à corrupção ela pretende fazer, se vai conseguir fazer. Exatamente pelas razões que foram colocadas aqui. Ela dizia que o PT era um mar de lama e por isso ela estaria saindo para um outro partido, o PMDB é exatamente o partido do Eduardo Cunha. Não há figura mais corrupta do que Eduardo Cunha.

>>[Maria Lydia] Obrigada. 30 segundos.

>>[Marta Suplicy] A única coisa que eu posso dizer é que eu sou ficha limpa, eu estou a mais de 30 anos na política. Eu me sinto muito bem, essa trajetória que me permite grande honestidade.

>>[Maria Lydia] Agradeço as candidatas. Quem pergunta é o jornalista do Estadão Pedro Venceslau. 

>> A minha pergunta é para o candidato Celso Russomanno. A sua campanha irá revelar a sua opinião sobre reforma trabalhista. Porque isso ocorreria e qual é a sua opinião. Quem comenta é João Doria.

>>[Maria Lydia] Celso Russomanno.

>>[Celso Russomanno] Pedro, eu sou totalmente contrário a tirar direito dos trabalhadores brasileiros. Acho que o Brasil precisa passar por uma reforma, não tirando direitos trabalhistas, esses são sagrados e devem ser preservados. A folha de São Paulo publicou uma matéria recentemente, dizendo que eu disse que estava disposto a ajudar os motoristas do uber, porque eles estavam sendo vítimas de trabalho escravo, trabalhando de 14 a 16 horas por dia. Nos estados Unidos, na Califórnia, 385 mil motoristas entraram com ação coletiva contra o Uber. Eu defendo que as pessoas devem trabalhar 8 horas por dia dirigindo o carro, para evitar o que estamos vendo aí. Hoje foi publicado na matéria de que o motorista dormiu no volante, bateu o carro, dizendo que trabalha em média 14 ou 15 horas por dia, que ele não consegue descansar para poder pagar o seu carro e tirar alguma coisa da sua família. Nessas condições, eu sou totalmente o contrário o aumento de horas trabalhadas por qualquer brasileiro.

>>[Maria Lydia] Comentário de João Doria.

>>[João Doria] Bem, temos deputados Federais e senadores, eu sou empresário. A minha preocupação é a cidade de São Paulo, eu quero ser um gerador de empregos, gerador de oportunidades, criador de novos investimentos, estadual, Federal e municipal. Eu quero valorizar economia criativa, criar oportunidades para o pobre, em geral para a população de São Paulo oportunidade de emprego. É isso que eu desejo como gestor.

>>[Celso Russomanno] As minhas colocações eu já fiz. Eu entendo que todos devem trabalhar no máximo 40 horas semanais por semana, é assim que a legislação. A legislação diz 44, eu defendo 40 horas semanais. Eu acho que o brasileiro tem condição de viver como a sua família, de ter lazer um pouco, poder praticar esportes com, menos horas trabalhadas ele vai conseguir fazer isso.

>>[Maria Lydia] Outra pergunta do jornalista da TV Gazeta.

>> Minha pergunta é o candidato Major Olímpio. Há vários projetos no Congresso Brasileiro sobre a escola sem partido, seria uma lei que proíbe os professores e educadores de transmitir ideologia para o jovem. Não apenas escolas públicas. Os professores não poderão contrariar, se for aprovada a Lei, orientação das crianças e jovens. Qual é a sua posição sobre o projeto?

>>[Maria Lydia] Um minuto por favor.

>> Comentário pelo candidato Celso Russomanno.

>>[Major Olímpio] Eu apoio o movimento de escolas sem partido. Essa desvirtuação em relação a conteúdos ideológicos, a escola tem que formar e informar bem. O projeto em si, ele diz da participação da família no acompanhamento dos conteúdos que são transmitidos na escola. Isso é simplesmente uma consolidação do que está estabelecido na própria Constituição Brasileira, em relação à educação. O que não se quer, é simplesmente se usar ideologicamente, como tentou usar em relação a formação da Juventude brasileira, usando e deformando através da escola, ao invés de se formar e informar, a chamada formação, formação mais ampla. Eu acompanho esse projeto que está tramitando, logicamente ele está em processo de aperfeiçoamento. Quando estamos falando disso, quando fala do regramento para o professor, isso é besteira, não precisa ter regramento para o professor. No contrato do professor, estabelece suas obrigações. Eu sou favorável à escola não partilhar.

>>[Maria Lydia] Está certo. Celso Russomanno.

>>[Celso Russomanno] A Constituição Brasileira é muito clara com relação a isso, seguiremos a Constituição. Não precisamos de mais legislação nenhuma. Eu entendo que a escola foi feita para ensinar, para educar. Infelizmente isso não acontece no Estado de São Paulo. Os alunos saem da escola municipal, sem saber ler e sem saber escrever. E é o que tem de mais triste, é isso que vamos corrigir no Estado de São Paulo.

>>[Maria Lydia] Vamos para réplica.

>>[Major Olímpio] Bom, o que eu tenho a dizer é exatamente que é não é um caminho, é o único caminho que existe para o crescimento e progresso de uma sociedade. Temos que voltar os olhos se o conteúdo para a formação, jamais para a deformação. O processo que acontece no país tem procurado conduzir ideologicamente, é isso que quero evitar.

>>[Maria Lydia] Obrigada. Agradeço aos candidatos. A quarta pergunta é o jornalista do Estadão.

>> Pergunto para o prefeito Fernando Haddad. Em 2012, o PT estava dentro da estrela que apareceu nos comerciais de tv, em todos os programas receberam o Lula e a Dilma no começo ao fim. Esse ano está em um tamanho menor e sem as iniciais do partido.

>>[Fernando Haddad] Boa noite, muito obrigado pela oportunidade. Em primeiro lugar, se alguém é coerente e mantém os seus compromissos do mesmo lado, sou eu, que nunca mudei de partido nos últimos 30 anos. Eu sou filiado ao mesmo partido e coloco as mesmas bandeiras: a bandeira da igualdade e da oportunidade. Ministro da educação, eu tive a oportunidade de servir o presidente Lula, que foi responsável pela maior inclusão de jovens negros e pobres da periferia, de todo o Brasil, sobretudo de São Paulo, nas universidades particulares por meio do ProUni, e nas universidades públicas. Como prefeito, eu continuo do mesmo lado. Fazendo faixas exclusivas de ônibus, entregando em toda a periferia de São Paulo, eu mandei colocar no site em todos os endereços, são duas creches por semana abertas, eu vou continuar abrindo até acabar com a fila, e criando 33 hospitais, sendo 21 fixos e dos imóveis, para diminuir a fila de espera. Eu tenho muito orgulho da minha trajetória, eu não pretendo mudar de posição e muito menos mudar de lado.

>>[Maria Lydia] Comentário do Major Olímpio.

>>[Major Olímpio] A Dilma já foi, Lula foi denunciado como o chefe da quadrilha. Certamente vai apodrecer na cadeia, como é merecedor. Eu gostaria em relação a isso, que eu  pudesse usar meus 10 segundos, usando para defender o Lula e a Dilma por 30 segundos.

>>[Fernando Haddad] Eu sou de uma tradição que não tem regra. Eu fui Ministro do presidente Lula, ministro da educação. Foi o responsável pela maior inclusão de pobres e negros na educação infantil, educação especial, educação profissional e educação superior. Eu devo a ele minhas homenagens pela oportunidade que ele deu de transformar a realidade brasileira, e vou manter minha posição.

>>[Maria Lydia] Obrigado aos candidatos. Vamos prosseguir com as perguntas. Quem faz a quinta pergunta é o jornalista da TV Gazeta.

>> Minha pergunta para o candidato João Doria. Sistema de tarifa de ônibus na cidade de São Paulo é deficitária. A prefeitura tem o sistema com cerca de 2 Bilhões de reais. Na iniciativa privada, vários como o senhor condenam. Na prefeitura, se o senhor foi eleito, o senhor vai obrigar a receita, ficar milionário e aumentar a receita? Eu quero ouvir o comentário da candidata.

>>[João Doria] Muito obrigado pela pergunta. Vamos manter o subsídio. É um programa social que é importante, que seja mantido nas condições que se encontra. Não faremos nenhum tipo de alteração nas tarifas de ônibus. Vamos procurar integrar ainda mais o serviço do município com os ônibus, com o serviço do Estado, como metrô e trens, para permitir mais facilidade em reduzir o tempo que o trabalhador fica dentro do ônibus para dirigir da sua casa até o trabalho, e de volta do trabalho até a casa. É perfeitamente possível a redução de 15 a 20 minutos com algumas medidas positivas, efetivas na área do transporte coletivo. Utilizando o ônibus articulado dos corredores que serão mantidos nessa nova gestão, criar o embarque mais fácil, o embarque fácil para que as pessoas possam comprar e entregar o seu bilhete antes mesmo da entrada do ônibus. Eu quero preservar o sistema tarifário e o direito justo adquirido pela população. Política social não se mexe, tem que evoluir.

>>[Maria Lydia] Comentário de Marta.

>>[Marta Suplicy] Eu vou mexer bastante no bilhete único, porque ele não funciona como deveria estar funcionando. Como foi criado, no sentido principalmente na recarga do bilhete único, as pessoas fazem filas para conseguir recarregar e a frequência dos ônibus que estão um pouco desorganizada. Uma nova licitação de ônibus, eu vou aprimorar para que entre a questão do combustível, vamos fazer novos corredores.

>>[Maria Lydia] Agora a sua réplica.

>>[João Doria] Vamos efetivar um programa chamado "rapidão", para permitir que tenha maior efetividade, em maior velocidade, mais pessoas em período. A integração do Governo do Estado através dos trens e do metrô, tudo isso para facilitar a vida dos trabalhadores e diminuir o tempo dentro do transporte coletivo.

>>[Maria Lydia] Muito bem. Vamos prosseguir para encerrar o bloco com a pergunta do jornalista do Estadão Pedro Venceslau.

>> Pergunta para a deputada Luiza Erundina e comentário do prefeito Fernando Haddad. A sua gestão foi marcada pelo isolamento política na Câmara Municipal, por uma regra interna do PT que na época era o seu partido. O seu atual partido PSOL, como seria construída a governabilidade do eventual governo da senhora?

>>[Luiza Erundina] Eu governei por 4 anos por melhorias na câmara, eu teria que ter feito concepções éticas, não fazemos isso por qualquer que seja o pretexto para colocarmos a questão da governabilidade. A governabilidade supõe apoio da sociedade civil, apoio do poder popular. Espero que a próxima composição da Câmara de Vereadores entenda que vereador não é para vender votos, para atender uma demanda do prefeito. Ele é eleito para ajudar a governar a cidade, para atender as demandas da sociedade. No segundo governo, eu vou procurar o apoio dos vereadores, ter um compromisso com as cidades. Eu vou mobilizar o apoio popular que é um dos poderes que constitui o poder da cidade, para que respalde nas decisões importantes, no interesse da maioria da população. Eu sei fazer isso, ver a melhor de uma próxima vez, não vou me submeter que não estejam respaldadas pelos meus compromissos éticos, pela minha história de compromisso com a universidade pública, sobretudo frente do poder público, gerenciando recursos preciosos da população de nossa cidade.

>>[Maria Lydia] Comentário de Fernando Haddad.

>>[Fernando Haddad] Como aprovamos com 11 vereadores o plano diretor estratégico mais ambicioso da história da cidade de São Paulo, fazendo uma aliança, sobretudo com o movimento de moradia. Na mesma maneira que aprovamos a redução a menos da metade da cidade pública, nos valendo de liderança do país inteiro, que nos ajudaram aprovar uma emenda. É possível governar com minoria, desde que esteja com o povo.

>>[Maria Lydia] Muito obrigado aos candidatos. Encerramos assim esse primeiro bloco. Voltamos daqui a pouco eu como o debate entre os candidatos à prefeitura de São Paulo, promovido pela TV Gazeta. Eu peço perdão Luiza Erundina por não ter passado a palavra para sua réplica.

>>[Luiza Erundina] Eu quero informar ao prefeito Haddad que a população da periferia se queixa muito dos vereadores que indicam o subprefeito, em geral, não são pessoas identificadas como a população, qualificadas para a gestão de uma Prefeitura. Segue orientação do seu vereador. É preciso que a escolha seja feita diretamente pela população, em cada região administrativa da cidade.

>>[Maria Lydia] Muito obrigada, agora sim o meu agradecimento, agora o encerramento do primeiro bloco. Voltamos daqui a pouco com o debate os candidatos da Prefeitura de São Paulo, promovido pela TV Gazeta em parceria com o Estadão eu Twitter.

BLOCO 2

>>[Maria Lydia] Voltamos como debate entre os candidatos a prefeitura de São Paulo, promovido pela TV Gazeta em parceria com o Estadão eu Twitter. O debate está sendo transmitido ao vivo pela TV gazeta, Rádio Gazeta, Portal da TV Gazeta, TV Estadão e pelo periscope do Twitter. Vamos ver as regras para este segundo bloco. No segundo bloco, o candidato responde a pergunta de outro candidato. Seguindo a ordem de sorteio prévio, o candidato escolhe para quem fará a pergunta. Cada candidato pergunta e responde apenas uma vez. O tempo para pergunta é de 30 segundos, a resposta tem um minuto e meio. A réplica e tréplica tem 30 segundos cada uma. Ao final do bloco, haverá sorteio para definir a ordem em que os candidatos irão responder as perguntas do terceiro bloco, enviadas pelo Twitter. De acordo com o sorteio prévio, o primeiro candidato a perguntar é João Doria.

>>[João Doria] Maria Lídia, a minha pergunta vai para o candidato Celso Russomanno. A saúde pública na cidade de São Paulo vive um caos, uma situação dramática da vida da saúde pública na cidade, especialmente nos bairros periféricos. Eu queria saber a sua proposta para a saúde pública na cidade.

>>[Maria Lydia] Celso Russomanno.

>>[Celso Russomanno] Obrigado pela pergunta. A minha resposta para a saúde é a informatização da saúde. Está mais do que provado pela Organização Mundial da Saúde que quando você informatiza saúde, você economiza 30%. Com orçamento de quase 10 milhões de reais, vamos economizar 3 bilhões de reais. Eu posso pagar os médicos, profissionais de saúde, manter as unidades com remédios, fazer com que a gestão seja eficiente. Se a gente pagar o médico a mesma coisa que ele paga na iniciativa privada, claro que ele vai trabalhar com a gente. O profissional de saúde bem remunerado, dá retorno ao paciente, é isso que queremos. Acabar com a demora, as pessoas não têm atendimento. Eu vejo aqui hoje, para a gente, uma mulher conseguir uma consulta para o seu filho, às vezes demora 4 meses. Existem crianças que nasceram e não passaram por uma consulta, pela primeira consulta com um pediatra. Processos tem que acabar, as mães não aguentam mais. Faltam ginecologistas, médicos clínicos, médicos do programa da saúde da família, vamos melhorar a saúde e como certeza absoluta vamos fazer funcionar.

>>[Maria Lydia] A sua réplica João Doria.

>>[João Doria] Você tem razão, o que falta é gestão, eficiência de gestão na saúde pública, é exatamente isso que vamos fazer. A 410 mil pessoas esperando para fazer exames, eu diria que é desumano. Os hospitais não têm especialistas, funcionam em horário reduzido e muitos não têm. Falta gestão eficiente na saúde pública de São Paulo.

>>[Maria Lydia] Celso Russomanno.

>>[Celso Russomanno] Com a informatização, vamos fazer gestão. Não dá para a gente ver o remédio vencendo e o remédio faltando. São práticas que são do século passado, estamos com tudo informatizado, apenas a saúde da cidade de São Paulo que não é. Só com a informatização e com o cartão saúde inteligente, vamos melhorar a vida de qualquer um que mora na cidade de São Paulo ou escolheu São Paulo para morar.

>>[Maria Lydia] Prosseguimos a candidata Marta Suplicy.

>>[Marta Suplicy] João Doria, o maior legado que o governante pode deixar é na área da educação. Com  o ceu, fizemos o vai e volta, fizemos uniforme de qualidade. Eu gostaria de saber se você vai continuar, qual a sua proposta para educação?

>>[João Doria] Obrigado candidata. A nossa proposta escolas em tempo integral, todas as escolas públicas onde for possível. Vamos, construir mais escolas na cidade de São Paulo. A integração permite a educação, no esporte, cultura, também a saúde preventiva dos estudantes. Vamos fazer a qualificação dos professores, da rede municipal de ensino têm gestores e professores de qualidade, precisam receber treinamento adequado, principalmente para introduzir no mundo da tecnologia. Vamos colocar tecnologia em escolas públicas, não faz sentido que ainda tenhamos lousa de pedra no mundo, da eletrónica, no mundo da informática. As pessoas querem informação tecnológica, exatamente isso que vamos colocar nas escolas públicas municipais. Vamos eliminar, surpreendente, na principal cidade do país ainda há milhares de pessoas que não sabem ler. Vamos fazer creches, realizadas em convênio como as organizações e ações sociais, para permitir que as crianças de 0 a 3 anos tem a educação fundamental, para que possa ter alimentação, saúde preventiva, acolhimento, para que possam trabalhar com tranquilidade.

>>[Maria Lydia] Marta.

>>[Marta Suplicy] Eu vou acabar as que não foram terminadas, vou me dedicar às creches, ao ensino fundamental, aos professores. Sabemos que temos que fazer uma gestão um pouco mais justa entre as diretas e as conveniadas que hoje são muito prejudicadas, sem nenhuma formação igual às que têm as creches da prefeitura. No fundamental, período integral para todas as crianças em 4 anos.

>>[Maria Lydia] Obrigada. Vamos prosseguir. Aliás, temos ainda a tréplica de João Doria. Hoje eu estou sonegando os comentários. 30 segundos.

>>[João Doria] Educação é fundamental. Eu sou brasileiro, eu amo o meu país, impossível você ter uma nação soberana sem educação. O nosso investimentos ampliado, o nosso esforço tecnológico para permitir que as crianças possam ser líderes amanhã, será feito realizado para que tenhamos emprego, oportunidade através do ensino, professores bem remunerados, escolas modernas, escolas bem construídas para servir a população da nossa cidade.

>>[Maria Lydia] Muito obrigada. Vamos para a terceira pergunta. Quem faz é o candidato Fernando Haddad do PT.

>>[Fernando Haddad] Eu pergunto para deputada Luiza Erundina. O governo encaminhou para o Congresso Nacional uma proposta de lei ordenando por 20 anos os gastos sociais no Brasil, isso vai afetar diretamente a cidade de São Paulo. A candidato Marta, na sabatina no portal, declarou apoio à essa medida. Votar a favor de uma lei que congela os investimentos sociais. Como você pretende fazer isso?

>>[Luiza Erundina] Eu fui contra o golpe, eu sou contra o governo Michel Temer, eu sou contra todas as medidas que ele vem implantando, como reação e como pagamento do golpe que ele ganhou para poder se tornar o presidente legítimo da República. Não só vou votar contra, eu vou denunciar esse golpe contra a sociedade brasileira, os trabalhadores, corte em saúde, educação, congelamento do salário dos servidores públicos. Pior do que isso, negando e comprometendo as conquistas históricas dos trabalhadores brasileiros, como a reforma da Previdência Social, a reforma trabalhista. É um destruidor das conquistas do povo brasileiro, ele está voltando antes da era Vargas, supõe uma reação política forte, determinada, para evitar um retrocesso extraordinário, para anunciar no futuro próximo da nação brasileira. Não ao governo Temer! Não as suas políticas regressiva aos direitos sociais, aos direitos dos trabalhadores, aos direitos humanos de um modo geral.

>>[Maria Lydia] Fernando Haddad.

>>[Fernando Haddad] Em uma outra medida anunciada pelo governo Michel Temer, inclusive pelo Ministro da Fazenda, e de aposentadoria com idade mínima de 65 anos para todos os trabalhadores. De novo, a senadora apoia. Em relação às aposentadorias, o seu posicionamento será o mesmo do que em relação ao congelamento dos investimentos em saúde e educação?

>>[Luiza Erundina] Não há concessão possível diante do quadro que existe hoje no Brasil. Se não houver uma reação muito rigorosa e forte politicamente, é difícil de ter esse retrocesso extraordinário, que se abate sobre a nação brasileira, atentando contra a sua soberania. Vamos ficar vigilantes, atentos para não permitir que isso aconteça.

>>[Maria Lydia] Vamos para quarta pergunta com candidato Major Olímpio do solidariedade.

>>[Major Olímpio] Eu pergunto a candidata Marta Suplicy. No primeiro semestre, a prefeitura gastou mais de um bilhão com subsídios para o transporte público, é crescendo assustadoramente 31% a mais do que o período do ano anterior. Faz com que gaste até o final do ano 2 bilhões e meio. Como a senhora vai reverter isso?

>>[Marta Suplicy] Não vou aumentar tarifas, mas também não vou tirar o que foi conquistado. Passe livre é uma conquista, o direito do idoso também é uma conquista, não vamos mexer. Vamos ter que criar outra oportunidades para prefeitura bancar tudo isso. É só questão de subsídio. É uma realidade, é uma realidade que a prefeitura tem que pensar no trabalhador, tem que pensar nas pessoas que estão se beneficiando com subsídio, é exatamente isso, para cuidar de quem tem menos, cuidar de quem mais precisa, cuidar de quem tem acesso à educação, preço da passagem, isso tem que ser respeitado. O que vamos fazer é melhorar o transporte público para que possa ter mais eficiência, para que as pessoas possam andar com mais tranquilidade e serem mais respeitadas no transporte público. Temos que pensar na população que anda a pé na cidade. Temos 32% de pessoas na cidade de São Paulo que andam em calçadas perigosas, que crescem na despesa da saúde, e as bicicletas que na periferia, as ciclofaixas precisam ser arrumadas.

>>[Maria Lydia] Obrigada. Major Olímpio tem 30 segundos.

>>[Major Olímpio] Eu insisto com a senhora no posicionamento, se for prefeita, no primeiro dia de Janeiro, em relação aos contratos com quem opera o transporte público na cidade de São Paulo. A senhora disse que não vai fazer aumento de tarifa. Os contratos estão aqui. Não é a senhora vai repactuar os contratos com as empresas de transporte que trabalham no município de São Paulo.

>>[Marta Suplicy] Agradeço a pergunta. A licitação é a mesma da minha época, é uma licitação que está lá, que o atual prefeito não conseguiu terminar a licitação nos últimos dias de governo, e disse que fica para o próximo porque ele também não vai fazer licitação agora. Eu gostaria de dizer que eu não conheço com profundidade a licitação, eu vou olhar com muito cuidado a licitação, eu vou rever o que for necessário. É extremamente importante.

>>[Maria Lydia] E a vez de Celso Russomanno fazer a pergunta.

>>[Celso Russomanno] A minha pergunta vai para Major Olímpio. Nós temos no nosso plano de governo um projeto "viva em forma". Vamos levar para as escolas, parques e praças, o convênio com os clubes. Os clubes que temos nas prefeituras, vamos levar todo tipo de esporte. Vamos criar o maior programa de esporte que a cidade de São Paulo já viu. O que o senhor vai fazer com o esporte?

>>[Major Olímpio] Está no nosso programa para ações da prática esportiva, para desenvolver o esporte como o caminho mais seguro que existe para que as pessoas possam aprender as regras da vida, exatamente dentro do campo esportivo. Respeitando as regras, tratando-as semelhante, o esporte se presta justamente isso. Agora, temos um orçamento de 580.000.000 para o esporte, temos uma situação fática. A previsão orçamentária será de que o orçamento do ano que vem, será pelo menos 9% menor do que o desse ano. Nós já teremos recursos de muitas para todas as áreas. Não dá para sair do zero, vamos fazer o maior programa da história se estabelecer, dentro da nossa possibilidade. Ou município vai ter uma dificuldade muito grande. Entre as pessoas que estão em casa não saber disso. São propostas que são absolutamente, onde não tem uma previsão orçamentária de como realizar. Queremos sim, eu sempre fui esportista, vamos com o pé no chão.

>>[Maria Lydia] Certo. Celso Russomanno.

>>[Celso Russomanno] O nome é criatividade! Com criatividade não gasta dinheiro. Vamos abrir as escolas municipais ao final de semana para que a garotada jogue futebol, pratique basquete, atletismo. Vamos fazer os professores que queiram trabalhar voluntariamente, Existem muitos na periferia. Vamos trazer a comunidade para dentro da escola, vamos fazer convênios com clubes que querem ajudar as crianças mais carentes. Temos muito o que fazer.

>>[Maria Lydia] Major Olímpio para tréplica.

>>[Major Olímpio] É invenção. Eu quero dizer a Celso Russomanno, é bom começar a olhar as propostas e a possibilidade de executar. Sempre foi desenvolvido em todas as circunstâncias. No orçamento, isso é que a criatividade que não resolve.

>>[Maria Lydia] Vamos agora encerrar o segundo bloco com uma pergunta da candidata Luiza Erundina.

>>[Luiza Erundina] A minha pergunta é para a Marta Suplicy.

>>[Maria Lydia] Não pode, ela já respondeu. Conforme as regras, a senhora deve perguntar para o candidato Fernando Haddad que ainda não respondeu, por favor.

>>[Luiza Erundina] Prefeito, o senhor e o seu partido sempre se colocaram contra as privatizações, contra as terceirizações. E o seu governo vem sendo marcado por uma política de terceirização e privatização, sobretudo na saúde, assistência social e educação. Na saúde mais da metade dos equipamentos estão revistados, menos da metade está diretamente.

>>[Maria Lydia] Muito bem, agora resposta de Fernando Haddad.

>>[Fernando Haddad] Deputada, apesar de me posicionar no aspecto político sempre do lado de quem mais precisa, eu tenho que reconhecer que às vezes para atender quem mais precisa, eu preciso fazer parcerias do setor privado. Eu vou dar um exemplo. Eu fui ministro da Educação quem expandiu as vagas públicas em história, as federais expandiram por todos os lados, inclusive por São Paulo, Diadema, Santo André, São Bernardo, Guarulhos, Osasco e Santos, estamos colocando em Jacu Pêssego. Ótimo. O ProUni é a complementação da expansão das federais, uma coisa não subtrai a outra. O mesmo ministro que fez o ProUni, fez a maior expansão das Universidades públicas. No município é a frente, eu tenho que fazer parceria. O governo federal não manda dinheiro para construir creche, eu faço parceria. Nós temos 98 mil novas vagas de educação infantil graças às parcerias. São 410 equipamentos. Na saúde, eu também dependo. O hospital do Jabaquara não seria possível sem a parceria com hospital Albert Einstein.

>>[Maria Lydia] Sua réplica.

>>[Luiza Erundina] Eu sou a prova de que vossa excelência não está bem informada do que ocorre na prestação dos serviços, principalmente na área da saúde. 65% do orçamento da secretaria Municipal de Saúde, está sendo gerada. O nível de insatisfação da população, os conflitos de comando que existem na gestão dos equipamentos, o conflito entre os servidores privatizados e servidores da administração direta, é preciso fiscalizar melhor.

>>[Maria Lydia] Tréplica de Fernando Haddad.

>>[Fernando Haddad] Durante o governo de Serra e Kassab, tivemos que fazer o maior plano de reestruturação das carreiras do estado. Todas as carreiras da área da saúde foram reestruturadas: enfermeiros, dentistas e médicos. Eu paguei a dívida dos funcionários e agora estamos com a entrega dos equipamentos prontos para decolar.

>>[Maria Lydia] Agradeço aos candidatos. De acordo com as regras, agora nós vamos sortear a ordem em que os candidatos vão responder as perguntas do próximo bloco, que foram enviadas pelo Twitter. A jornalista Luciana Magalhães fará o sorteio.

>> Vamos ver o primeiro candidato, o tema é saúde. Será a candidata Luiza Erundina. Na sequência, a segunda pergunta do Twitter será respondida pelo candidato João Doria e o tema educação. Em terceiro lugar, com o tema habitação, o candidato Major Olímpio responder a pergunta. Em quarto lugar, tem transportes, respondido pelo candidato Celso Russomanno. Em penúltimo lugar, teremos o candidato Fernando Haddad na pergunta sobre segurança urbana. Por último, falará sobre corrupção, o será a candidata a Marta Suplicy.

>>[Maria Lydia] Obrigada Luciana. Vamos prosseguir, vamos em frente. Voltamos daqui a pouco com o debate entre candidatos a prefeitura de São Paulo. Debate promovido pela TV Gazeta com parceria com o Estadão e o Twitter.

BLOCO 3

>>[Maria Lydia] Estamos de volta com debate entre a Prefeitura de São Paulo. Esse debate está sendo transmitido ao vivo pela TV gazeta, Rádio Gazeta, Portal da TV Gazeta, TV Estadão, Rádio Estadão e pelo periscope do Twitter. Vamos agora ver as regras deste terceiro bloco. No terceiro bloco, os candidatos respondem às perguntas encaminhadas pelo Twitter sobre o seguinte tema: saúde, educação, habitação, transporte e corrupção. Quando a pergunta for feita, outro convidado será sorteado para comentar. O tempo para perguntar é de 30 segundos. A resposta tem um minuto e meio. Comentário e tréplica tem 30 segundos cada um. De acordo com o sorteio que foi realizado agora a pouco, a primeira pergunta sobre saúde e vai para Luiza Erundina. Antes da resposta, vamos ao sorteio de quem fará o comentário. Luciana.

>>[Luciana Magalhães] O candidato que fará o comentário será a candidata Marta Suplicy. Vamos ver qual é a pergunta que foi enviada pelo Twitter com o tema saúde. 

>> Prezado candidato à prefeitura de São Paulo, se você ficar doente, você vai se tratar no sistema público de saúde? Responda apenas sim ou não. Veja bem não vale.

>>[Luiza Erundina] Lamentavelmente a saúde pública no Brasil ainda não garante o acesso universal à todos os brasileiros e a todas as brasileiras. No nosso governo investimos muito em saúde, construímos 7 hospitais, dezenas de unidades básicas de saúde. Dessa vez, vamos aumentar o orçamento na saúde, vamos ampliar a rede direta na saúde e na cidade. Porque saúde é um direito do cidadão e dever do Estado. Vamos rever e congelar os convênios, vamos fazer a ampliar do estado sobre a prestação de um direito social fundamental que é a saúde pública de qualidade. Vamos implantar de forma plena o sistema SUS na cidade de São Paulo, que foi iniciado no nosso governo. Lamentavelmente ainda está em parte pelo Governo do Estado, vamos fazer em iniciativas administrativas e políticas firmes para retomar aquilo que ainda está na mão do estado, trazer para o município, e completar o sistema pleno na cidade de São Paulo. Tem a garantia de que da nossa parte, como fizemos na primeira vez, saúde é prioridade, saúde é direito social, o governo vai cuidar muito bem da política.

>>[Maria Lydia] O comentário de Marta Suplicy.

>>[Marta Suplicy] O que a população mais deseja hoje é remédio, médico e poder fazer os exames. Vamos colocar os remédios com farmácias conveniadas com a farmácia popular. Os médicos já foram concursados, vamos chamar os concursados. Vamos colocar dois mil médicos, principalmente em especialidades no programa da Saúde da Família, vamos usar todo o sistema de informatização.

>>[Maria Lydia] Luiza erundina tem 30 segundos.

>>[Luiza Erundina] Vamos também implantar de forma extensa, completa na cidade o programa saúde da família. Uma equipe profissional, que atende não apenas casos específicos da Saúde, orienta, encaminhar uma criança para uma escola, encaminhar o requerimento de aposentadoria de uma pessoa que está afim de se aposentar. É uma atenção plena, através do programa saúde da família.

>>[Maria Lydia] Obrigada. Vamos a segunda pergunta sobre educação. Ela vai para João Doria. Para o comentário, vamos ver o sorteio.

>>[Luciana Magalhães] Quem vai comentar a resposta de João Doria sobre o tema a educação será Major Olímpio. Vamos ver a pergunta.

>> A questão da educação inclusiva, além de pertinente é bastante séria, uma vez que muito pouco se faz. Aos candidatos, o que o senhor entende com isso? O que pretende fazer? Muito obrigado.

>>[Maria Lydia] João Doria.

>>[Major Olímpio] Educação é fundamental, prioridade na nossa gestão. Eu quero deixar claro aos que estão nos assistindo e nos acompanhando pelo Twitter, eu estudei em escola pública, Professora Marina Cintra na rua da Consolação na cidade de São Paulo. Eu devo muito ao ensinamento que tive em uma escola pública. Eu entendo que educação igual as oportunidades, não há a melhor hipótese de alguém ser bem sucedido se não tiver direito à educação. Eu sou uma pessoa bem sucedida, eu devo a educação que recebi, na escola privada, sobretudo na escola pública. Eu volto a defender a escola em tempo integral, permitiram escola de qualidade, as crianças tenham alimentação, tempo para exercício física, tempo para a cultura e para aulas de empreendedorismo. Quero mencionar que vamos estimular o uso de tablet, ampliar para que todas as escolas públicas municipais tenham wi-fi gratuito para os alunos e professores, valorizar os gestores da rede municipal de ensino, oferecendo qualificação, tecnologia, se possível, remuneração determinada pela premiação ao esforço e resultado obtido. Educação é fundamental para a transformação do país, a transformação começa no município, será prioridade na nossa gestão como o prefeito de São Paulo.

>>[Maria Lydia] Comentário de Major Olímpio.

>>[Major Olímpio] Candidato João Doria, está tramitando no congresso nacional o projeto 241, que congela as receitas limitando ao gasto do ano anterior e mais inflação. O seu partido é um dos que mais está defendendo, isso vai arrebentar a eleição no país. Qual é o posicionamento do senhor, qual atitude que o senhor vai tomar como prefeito?

>>[João Doria] Com boa gestão, gestão pública eficiente. Eu não sou político, eu respeito os políticos. Faremos uma boa gestão, uma gestão onde concessão, privatização, será o resultado integralmente destinado à saúde e educação, com mais recursos e boa gestão. É perfeitamente possível melhorar, e ampliar a oportunidades todos, especialmente aqueles que vivem nas periferias da nossa cidade.

>>[Maria Lydia] Obrigado aos candidatos. Vamos prosseguir para a terceira pergunta que será sobre habitação, vai para o Major Olímpio. Vamos saber quem comenta no sorteio. Luciana.

>>[Luciana Magalhães] Comentário a resposta da pergunta enviada via Twitter sobre habitação, será o candidato João Doria. Vamos a pergunta do telespectador.

>> Meu nome é Frederico, eu queria saber dos candidatos como que eles pretendem lidar com o tema das moradias e movimento social que trata do assunto.

>>[Maria Lydia] Major Olímpio, um minuto e meio.

>>[Major Olímpio] Temos um déficit em São Paulo que necessitaria de 55 milhões de reais, uma média de investimentos que tem sido o de 820.000.000 por ano, levaria 69 anos. Vamos aplicar o plano estratégico que foi feito pela prefeitura, onde prevê uma utilização dos espaços ociosos, a utilização de 50% dos recursos que se paga para as construções hoje. Tem a destinação para moradia de endereço social, vamos organizar cortiços e favelas, temos que ocupar os espaços. Eu quero lembrar a população, a não se deixar enganar nesse momento com propostas mirabolantes. A prefeitura fez uma proposta do plano diretor que entregaria 55 mil unidades habitacionais, está entregando 9.000 unidades. O "minha casa, minha vida" está cortando investimentos, é necessário que se faça gestões, é preciso que se faça a recuperação. Temos 445 mil famílias em favelas, nós precisamos é, um grande desafio. 110 mil pessoas morando em área de risco, precisam ser removidas.

>>[Maria Lydia] João Doria.

>>[João Doria] Eu não discordo do Major Olímpio, vamos fazer parcerias públicas com Governo do Estado de São Paulo e Governo Federal, já implantar na capital de São Paulo com muito sucesso. Vamos fazer um amplo programa chamado "casa legal", para conceder o título de propriedade. Não apoiamos a ocupação de áreas próximas aos Mananciais. Vamos fazer mutirões para a cidade de São Paulo.

>>[Maria Lydia] Major Olímpio tem 30 segundos.

>>[Major Olímpio] Quero dizer a população que a questão da moradia é um direito fundamental, é um direito sagrado do cidadão. Temos que buscar sim, temos muita área ociosa, a prefeitura tem que buscar a recuperação, e revitalização das áreas, que ordenar a cidade conforme o plano diretor de estratégia, para que as pessoas possam ter direito à moradia.

>>[Maria Lydia] Agradeço aos candidatos. Agora o tema é transporte, a pergunta vai para Celso Russomanno. Vamos ver no sorteio quem irá comentar.

>>[Luciana Magalhães] O quarto candidato que irá comentar a resposta será a candidata Luiza Erundina. Lembrando que o tema é transporte. Vamos ver a mensagem.

>> Boa noite candidato, à minha pergunta sobre transporte público, sobre os micro-ônibus. Quero saber se ainda vai continuar o serviço de micro-ônibus na cidade de São Paulo, ele é muito lotado, utilizado para Periferia, quem utiliza o micro-ônibus e vai descer em 10 pontos, não consegue nem atravessar o micro-ônibus inteiro, tem que descer na frente em certas situações. É muito cheio. Eu gostaria de saber qual a proposta.

>>[Maria Lydia] Celso Russomanno.

>>[Celso Russomanno] Hoje na cidade de São Paulo, 28 milhões de pessoas fazem viagem como pedestre, 30% veículos, 40% entre o transporte coletivo como ônibus, micro ônibus, passando por metrô e trens. O transporte coletivo é extremamente importante para o cidadão. Hoje, os pequenos ônibus tem um papel fundamental, que é de transportar as pessoas das periferias para as localidades onde o transporte é feito, transportam a maioria das pessoas. Vamos continuar com isso, vamos aumentar. Precisamos mais do que isso na cidade de São Paulo. É o momento de melhorar a qualidade do esporte coletivo. Como vamos fazer isso? Vamos gerar emprego nas periferias. A pessoa trabalha no bairro e consome no bairro. Queremos que eu monte o shopping center, o shopping center e o que mais fatura, é o Aricanduva. Emprego na periferia é o que vamos fazer.

>>[Maria Lydia] Comentário de Luiza Erundina com 30 segundos.

>>[Luiza Erundina] O sistema de mobilidade urbana precisa ser melhor planejado, não dá para pensar em uma única modalidade de transporte. Todas elas são necessárias, devem estar devidamente articuladas e integradas. Tem que haver uma integração com a região metropolitana, as fronteiras são absolutamente superficiais, não existe de fato. Vamos fazer isso, vamos fazer a lógica do sistema e vamos garantir qualidade a alguém.

>>[Maria Lydia] Celso Russomanno.

>>[Celso Russomanno] Como em qualquer cidade do mundo, eu estive recentemente no Japão estudando Tóquio, só assim as coisas funcionam. Você mora no bairro, você trabalha no bairro. É isso que pretendemos para cidade de São Paulo, uma cidade mais justa para todos, uma cidade com maior qualidade de vida para todos. Vamos governar pensando em você, você cidadão.

>>[Maria Lydia] Obrigada aos candidatos. Fernando Haddad responde sobre segurança Urbana. Vamos ver quem comenta.

>>[Luciana Magalhães] Quem comenta o próximo tema será o candidato Celso Russomanno. Lembrando que o tema é segurança urbana. Vamos dar uma olhada na pergunta que foi feita pelo Twitter.

>> Olá. Gostaria de saber quais são os planos com relação à segurança, principalmente ataques de seringa que tem se tornado mais comuns em São Paulo. Uma solução prática efetiva para esse tipo de ataque, e outros. As pessoas têm sido principalmente aos ataques de seringas, as pessoas têm tido ameaça de doenças como AIDS, hepatite, é um cuidado não apenas com a segurança, mas também como a saúde da população.

>>[Maria Lydia] Um minuto e meio para sua resposta Fernando Haddad.

>>[Fernando Haddad] Pela sua atenção para comentar, praticamente nada funciona. Os hospitais estaduais da capital não funcionam, não há uma única obra de novo hospital Estadual. A cidade de São Paulo só fazendo, entregamos no Jabaquara. O transporte público estadual não avança, o governador não consegue entregar novas estações e o policiamento não é diferente

>>[Maria Lydia] Celso Russomanno tem 30 segundos.

>>[Celso Russomanno] Vamos ajudar o governo do estado a fazer a segurança pública, com a guarda civil metropolitana, vamos colocar os homens para fazer Segurança Pública, os guardas civis metropolitanos, a condição de fazer Segurança Pública. Vamos vigiar e cuidar das pessoas.

>>[Maria Lydia] Fernando Haddad tem 30 segundos para sua réplica.

>>[Fernando Haddad] Eu não vou tirar a guarda para fazer o policiamento do Governo do Estado. Não basta mais pessoal efetivo, cai sistematicamente. Dois anos do governo tucano caindo, temos que colocar em inteligência. A gente não coloca uma iluminação, monitoramento inteligente, não vamos resolver o problema contratando mais pessoal.

>>[Maria Lydia] Encerramos esse bloco com uma pergunta sobre corrupção que vai para candidatar Marta Suplicy. Para o comentário, vamos para o sorteio.

>>[Luciana Magalhães] O comentário foi com o candidato que sobrou na caixinha, Fernando Haddad. Ele vai comentar a resposta da candidata, a pergunta que é sobre corrupção. A pergunta não é um vídeo.

>>[Marta Suplicy] É hora de começar que o processo de recuperação de recurso público, começou na minha gestão, quando enviamos os primeiros a para Suíça para tentar recuperar o que o Maluf tinha desviado. Hoje temos um bom resultado dos 500 milhões que chegaram. Em relação ao fortalecimento da controladoria, a primeira questão é chamar os que estão concursados. A controladoria hoje, o prefeito chamou apenas um terço deles. Vamos chamar o restante para fortalecer o trabalho. Eu gostaria de dizer que tem que ter transparência, hoje não tem a transparência que a cidade merece. Essa questão da corrupção no município, a única coisa que entendi é que sumiram 15 milhões, tem uma pessoa que acusa uma, tem uma no jornal que está falando mal do prefeito, o prefeito dizendo que não foi isso. Temos também a questão da falta de transparência com a Uber, o prefeito não divulgou os números, quantos têm na cidade, quantos passageiros, tudo isso pegou muito mal. Se você quer ter um combate à corrupção, transparência é o que melhor traz a identificação.

>>[Maria Lydia] Fernando Haddad com comentário de 30 segundos.

>>[Fernando Haddad] Quem criou a controladoria fui eu.  A Marta por exemplo, teve a oportunidade. Eu já recuperei 300 milhões de reais em dinheiro, 151 da máfia que atuou na gestão do Kassab, após a Marta Suplicy, eu bloqueei 530 milhões de imóveis. Estamos dando exemplo para o Brasil.

>>[Marta Suplicy] Sou eu? Explicou todos os feitos mas não me explicou o que eu falei, sobre a transparência que falta. Ninguém tem de dizer quem é ocupado. Aquilo é um rolo que não acompanhamos. Em relação ao ver, o prefeito também não falou. Transparência é o principal na questão.

>>[Maria Lydia] Muito obrigada aos candidatos. Está concluído o terceiro bloco. Voltaremos logo depois quando entre candidatos a prefeitura de São Paulo, promovido pela TV Gazeta em parceria com o Estadão e com o Twitter.

BLOCO 4

 >> Aparentemente a senhora fez isso para se encontrar com alguma frase do dia que o candidato Russomanno tinha proferido. A senhora atribui esta ideia o ministro do trabalho, que o ministro pertence ao perceber. Ele pertence ao governo do PMDB. Presidente da real são as trabalhista, essa proposta e chegou a explicar. Se a senhora fez isso apenas para se encontrar, qual é a sua posição? Um minuto e meio para sua resposta.

>>[Marta Suplicy] O presidente falou da jornada de 12 horas de trabalho, ele vai propor uma resposta que ainda não está aberta a discussão. Quem fez a proposta foi exatamente o ministro do trabalho do PTB, que é do partido do Celso Russomanno. Por isso que veio o meu comentário, o que ele disse? Disse que não pode comentar a questão da jornada de 12 horas, porque? Fiquei curiosa para saber que comentário que ele faria. Agora vai ser uma oportunidade perfeita para ele poder explicar porque a candidatura dele não flagrar ia se ele comentasse a questão da jornada de 12 horas.

>>[Maria Lydia] 30 segundos.

>>[Celso Russomanno] Eu fui muito claro dizendo que eu sou o contrário a jornada de 12 horas. Eu acho que o país precisa de reformas, reformas têm que ser feitas. Quem tem que dizer para o presidente da República que é do seu partido, que tem que resolver isso de outra forma sem tirar o direito de trabalhadores é você, não eu. É o seu partido que está querendo fazer reformas, é o seu partido que vale a pena para os trabalhadores brasileiros.

>>[Marta Suplicy] Uma das coisas mais importantes para o candidato é ter clareza, sinceridade e transparência. Com histórias que eu não posso falar, não é transparência. E pensar em uma saída como o candidato está dando. Eu quero dizer que eu sempre defendi o direitos dos trabalhadores, eu sempre votei a favor dos trabalhadores, ao contrário do candidato Celso Russomanno que nem sempre votou a favor do trabalhador.

>>[Maria Lydia] Vamos a próxima pergunta como eu jornalista da rádio Estadão.

>> Minha pergunta é pro candidato João Doria com comentário da candidata Marta Suplicy. É uma pergunta muito simples. Candidato, o senhor se apresenta como um gestor e gestores gostam de desafios. Em 2018 o desafio que se apresentar for disputar o Governo do Estado, o senhor sendo prefeito, o senhor abandona a prefeitura? O senhor fica a prefeitura até o fim?

>>[João Doria] Obrigado pela pergunta. Eu sou candidato a prefeito da cidade de São Paulo, me preparei para ser perfeito e serei prefeito por 4 anos, eu quero administrar a cidade de São Paulo com eficiência para recuperar a cidade de São Paulo. Lamentavelmente, Fernando Haddad, eu tenho respeito por você, mas há acusações que você fez uma saída pela lateral. Não podemos falar pela eficiência de gestão, promover o 12 milhões de desemprego, 2.400.000 desempregados.

>>[João Dória] Tem manual de corrupção no seu partido. Me desculpe, você não tem nenhuma autoridade para falar a respeito do governo Geraldo Alckmin. A guarda civil Metropolitana vai para ruas, fazendo o que não faz a sua gestão. Tem na saúde pública, tem guarda civil metropolitana. A ronda escolar foi encerrada por você. Não venha querer dar aula eficiência aqui porque você é mal avaliado, quem está nos assistindo avalia mal a sua gestão. A minha resposta é que quero ser prefeito e serei prefeito, não sou político, eu sou gestor. O que é a cidade de São Paulo precisa nesse momento é um bom gestor para resolver os graves problemas.

>>[Maria Lydia] Comentários de Marta Suplicy.

>>[Marta Suplicy] Eu quero ser prefeito de São Paulo, é um sonho meu voltar a ser prefeita. Poder recuperar o que eu deixei, de novo na cidade. Poder cuidar melhor das pessoas, implementar uma gestão plena. O joão Doria fica falando o de eficiência, gestão, eu acho que podemos ter gestão, mas gestão tem que ter coração, tem que ter olhar para as pessoas.

>>[Maria Lydia] João Doria tem 30 segundos.

>>[João Doria] Eu também respeito você, você não foi uma prefeita bem avaliada, a sua gestão fracassou como prefeita, você não foi reeleita, não foi uma boa gestora. São paulo precisa de um administrador presente na vida da cidade, e não de sede pela Prefeitura. Ao lado do povo, é com ele que eu vou governar. Ou fazer uma gestão colocando princípios de boa gestão em toda administração pública municipal.

>>[Maria Lydia] Prosseguimos agora com o jornalista da TV Gazeta, Josias de Souza. Ele faz a terceira pergunta.

>> Minha pergunta é para o prefeito Haddad, com comentário de Erundina. O seu partido recomendou que os candidatos defendam o ex-presidente Lula. Eu pergunto se o senhor fala o que considera crível. O que é uma empreiteira que faça uma reforma no triplex para ninguém, e que alguém compre um sítio e se dá para uma pessoa utilizar graciosamente, duas empreiteiras farão reformas no sítio, para utilização do presidente Lula.

>>[Maria Lydia] Um minuto e meio.

>>[Fernando Haddad] Eu fui ministro do Lula e durante mais de 5 anos eu trabalhei com ele, eu dou o testemunho de quem é o presidente Lula, que na minha opinião foi o maior presidente da história da República. Nunca me pediu para preencher um cargo que não fosse em função dos interesses do país. Eu acho que é um presidente é comprometido, que mais melhorou a vida do trabalhador na história. Eu nunca vi o trabalhador ganhar tanto, ter tanta emprego quanto na época do Lula. Muita gente com saudade do governo do Lula. Eu acho que o presidente Lula vai ter a chance de se defender, eu acho que você está prejulgando o presidente sem dar a ele o direito de defesa, ele tem agora para se defender. Eu fiz a defesa do presidente Lula, eu não tenho nenhum problema com isso, eu me sinto honrado em ter participado do governo que transformou a educação brasileira. Quem fazia a universidade no Brasil era a gente rica, apenas gente rica. Eu nunca tive um colega negro na Universidade de São Paulo. Hoje pobres e negros são maioria na universidade pública, graças a uma figura como o presidente Lula. Vamos dar tempo ao tempo, o tempo vai responder melhor do que eu as suas indagações.

>>[Maria Lydia] Obrigada Fernando Haddad. Comentário de Luiza Erundina.

>>[Luiza Erundina] Temos que defender o trabalho da Lava-Jato, porém não podemos aceitar os excessos. O uso ao meu ver, extrapola o limite de competência dos profissionais da Justiça. A defesa do presidente Lula é uma questão de respeito diretamente ao partido dos trabalhadores, certamente ele terá plenas condições de se defender e mostrar a verdade sobre os fatos.

>>[Maria Lydia] Sua réplica Fernando Haddad.

>>[Fernando Haddad] Eu tenho muito respeito pelo posicionamento de Luiza Erundina. O estado democrático de direito tem a todos, pode ser o presidente, em direito de defesa. Você não joga fora o legado com 18 anos de gestão do presidente Lula. Basta comparar com outras presidentes, o seu antecessor. Segundo João Doria, as pesquisas demonstram que foi o pior presidente da história da República.

>>[Maria Lydia] Agradeço aos candidatos. Vamos a quarta pergunta, com o jornalista da rádio Gazeta AM.

>> Comentário do candidato Haddad. Citou a questão do Uber, Imagino que taxistas também trabalham mais de 8 horas por dia. O senhor construiu a trajetória profissional e política em cima da solução de conflitos. O uber e taxistas não dá para ficar bom para ambas as partes?

>>[Maria Lydia] Celso Russomanno.

>>[Celso Russomanno] Dá para ficar sim. Muito obrigado eu pela pergunta. É essa a nossa meta. Fazer com que acabemos com a concorrência desleal, predatória que estamos fazendo. Eu não sou contra o Uber, eu sou contra a falta de regulamentação, que o motorista trabalha horas por dia sem dinheiro ou descanso, ou de uma empresa de aplicativos levar 25% do motorista. Quem ganha nesse processo com a quantidade imensa de carros é apenas a empresa. Cadê os direitos trabalhistas? Onde estão os direitos dos motoristas? São desligados com um simples clique. Eles investem em uma estrutura, em determinado momento, ele é desligado do processo. Não podemos admitir. Taxistas e motoristas do Uber devem trabalhar de forma regulamentada, sem um prejudicar o outro, sem que tenha benefícios e o outro não tenha. Temos que saber quantos motoristas Uber tem em São Paulo, Fernando Haddad não diz, esconde. Quais são os interesses? Quem está sendo prejudicado no final é o motorista. Eu defendo o consumidor e vou continuar defendendo o consumidor.

>>[Maria Lydia] Temos o comentário de Fernando Haddad.

>>[Fernando Haddad] Celso está nesse vai e vem. Em uma entrevista, ele disse que iria banir o Uber da cidade, diante da reação da população contra ele, ele adotou a minha postura de regulamentar. Para garantir lealdade taxista e para dar transparência. Eu não posso dar transparência de dados que eu ainda não tenho. O poder está lutando na justiça para não entregar os dados que é meu direito exigir.

>>[Maria Lydia] 30 segundos.

>>[Celso Russomanno] Você tem um sobrinho seu trabalhando no Uber que tem todas as informações. Transforme elas em públicas, transparência é o que buscamos. Estamos buscando transparência. O que estamos fazendo é acabando com todos, prejudicando todos. Têm pais de família passando fome por causa da sua incompetência na forma de governar, quando o aplicativo entrou na cidade de São Paulo. Eu vou resolver o problema.

>>[Maria Lydia] Vamos agora aqui a pergunta e quem faz o jornalista da TV Gazeta.

>> Minha pergunta vai para candidatar Erundina com o comentário de Major Olímpio. A senhora concluiu com uma taxa de aprovação de 20%, segundo Datafolha. A senhora chegou apoiar uma greve de servidores. O que a senhora fará se for eleita para que a sua gestão seja mais bem avaliada do que foi? Voltaria apoiar uma greve de servidores?

>>[Luiza Erundina] O sucesso do nosso governo está sendo reconhecido. Quando saímos da prefeitura, não é por acaso que depois de 27 anos de experiência, dos acertos e o apoio que eu venho recebendo ao longo da campanha, é a avaliação mais concreta que eu poderia ter do desempenho do governo, que deixou marcas na saúde, na educação, transporte público e na moradia popular. Hoje eu estou disputando igualdade de condições de qualquer um, 10 segundos de televisão, de rádio e TV. Não temos estrutura, temos critério da aliança ou da possibilidade de aliança. Eu não tenho nada pra me arrepender, dizer que eu não estou com condições plenas de disputar o segundo turno, de voltar a governar a cidade, a partir dela, ajudar o país a sair da crise. Lamentavelmente não vai sair como esses candidatos, a maioria que estão aqui, que se escondem atrás das câmeras e não confessam seus compromissos com o governo, as medidas que estão sendo tomadas comuns aos trabalhadores, contra a democracia em nosso país. É disso que se trata. Enquanto o meu governo passado, vai ser avaliado no segundo governo, e seu povo confiar mais uma vez a responsabilidade.

>>[Maria Lydia] Comentário de Major Olímpio.

>>[Major Olímpio] Eu era capitão nas ruas da cidade de São Paulo, foi extremamente sofrido a sua administração. A senhora até apoiando uma greve do transporte, a senhora chegou a ser condenada e teve uma vaquinha de r$ 350.000 para poder repor o que a senhora fez no apoiamento de uma greve de transporte público.

>>[Maria Lydia] Luiza Erundina tem a réplica de 30 segundos.

>>[Luiza Erundina] Eu não cometi nenhum crime, eu fui perseguida por ter anunciado o fato de não termos autorizado as saída dos ônibus naquele dia, para não prejudicar uma 

frota que estava deteriorada e bastante reduzida na sua oportunidade de ônibus. Tanto é verdade que eu ganhei na justiça, tanto é verdade que eu não cometi crime, a sociedade conseguiu juntar r$ 300.000 para eu pagar a dívida por conta da injustiça.

>>[Maria Lydia] Por favor candidata. Nesse bloco com uma pergunta do jornalista da rádio Estadão.

>> Perguntar ao candidato Major Olímpio e comentário de João Doria. O seu programa de governo tem um ótimo combate à corrupção, tolerância zero. Presidente do seu partido foi até o final fiel ao Deputado agora é caçado Eduardo Cunha. O senhor considera normal atitude dele ou seria uma vergonha?

>>[Maria Lydia] Um minuto e meio.

>>[Major Olímpio] Você pode ir até o enterro do Amigo. Entrar no buraco e jogar terra junto é um juízo de valor de cada um.

>>[Maria Lydia] Por favor...

>>[Major Olímpio] Quero deixar muito claro o respeito. Quando eu fui para o solidariedade, o Paulinho me deu absoluta tranquilidade. Eu já fazia manifestações fora Cunha, fora Dilma, fazia manifestações e continuo achando uma vergonha o que aconteceu na nossa República. Já foi afastada a presidente, o ex-presidente vai para cadeia, e tantos outros que estiverem envolvidos isso. Cunha tem posicionamento criminoso, vai para a cadeia também, tantos outros. Eu quero dizer a vocês que o Paulinho deu liberdade, tanto que a maioria esmagadora dos deputados do solidariedade, votaram pela cassação do Eduardo Cunha. Que fique uma claro o meu posicionamento aqui, o meu respeito ao Paulinho da Força, que ele começou as mobilizações para o processo de impeachment.

>>[Maria Lydia] Vamos agora o comentário de João Doria com 30 segundos.

>>[João Doria] Eu quero deixar claro o meu modelo de honestidade, de gestão à frente do poder público, que chama Geraldo Alckmin.

>>[Maria Lydia] Por favor senhores. Um momento por favor. Vamos recuperar parte do seu tempo, é só plateia o respeito aos candidatos. início eu havia pedido que não houvesse manifestações. Obrigada.

>>[João Doria] Volto a dizer que o meu modelo de gestão eficiente, transparente chama-se Geraldo Alckmin. Um homem decente, que coloca acima de tudo a sua condição de servidor público. Vamos fortalecer a controladoria, digitalizar, transparência absoluta. Eu aproveito para finalizar, me desculpando com você. Sabe qual é a diferença entre Lula e FHC? FHC é honesto.

>>[Maria Lydia] Prosseguirmos com uma réplica de Major Olímpio.

>>[Major Olímpio] Eu quero dizer que a tolerância zero com os ilegais tem que ser o compromisso. Não adianta ficarmos com essa situação, onde a corrupção está transbordando. Também aqui na administração de São Paulo, nos contratos da saúde, contratos da administração, contratual municipal, uma verdadeira vergonha! É caso de polícia a cidade de São Paulo!

>>[Maria Lydia] Prosseguimos. Está encerrado o quarto bloco. Voltamos daqui a pouco com o debate entre candidatos a prefeitura de São Paulo, promovido pela TV Gazeta com parceria Estadão Twitter.

BLOCO 5

>>[Maria Lídia] Voltamos com o debate de candidatos a prefeitura de São Paulo promovido pela TV Gazeta, em parceria com o Estadão e o Twitter. O debate está sendo transmitido ao vivo pela TV Gazeta, Rádio Gazeta AM, Portal da TV Gazeta, TV Estadão, Rádio Estadão e pelo periscope do Twitter. Vamos às regras deste quinto bloco. Os candidatos fazem suas considerações finais em um minuto. Seguindo a ordem de sorteio prévio, a primeira a falar será Marta Suplicy. Na sequência, Major Olímpio do solidariedade, Celso Russomanno do PRB, Fernando Haddad do PT, João Doria do PSDB e Luiza Erundina do PSOL. Vamos então as considerações finais de cada candidato. Quem começa é Marta Suplicy. Um minuto.

>>[Marta Suplicy] O brasil está tentando sair de uma grave crise que sempre atingiu primeiro São Paulo. A recuperação também começa por aqui, precisa ter liderança, capacidade e experiência. Eu peguei a cidade e depois de uma mesma situação. O candidato que fica falando de gestão, boa gestão é muito bom. Boa gestão sem coração não leva aumento do lugar. Vocação pública é muito diferente, vocação pública cuidar das pessoas, cuidar de um coletivo e vocação para negócios, nada contra, é dirigido ao lucro. E isso não leva a bons negócios na prefeitura, leva a uma boa gestão que acaba com o olhar para quem mais precisa na cidade, para a dimensão de uma cidade de São Paulo é muito importante que todos sejam acarinhados.

>>[Maria Lydia] Major Olímpio.

>>[Major Olímpio] Eu quero me dirigir a você cidadão, a você leitor, que está em uma expectativa de como será a gestão para os próximos 4 anos. Vocês prestam atenção nas propostas inexequíveis, na falta de conhecimento, da possibilidade de orçamentária da necessidade da população pelos candidatos que vão se apresentando. E aí você que vai fazer essa opção. São Paulo está em uma terra abandonada, terra sem lei onde o crime compensa. O que eu me comprometo é com a minha história de vida, com o meu posicionamento, trabalhar muito e me colocar à disposição da população. Eu digo para reagir, eu digo tolerância zero aos ilegais. Vamos enfrentar de fato a corrupção, Vamos colocar São Paulo nos trilhos.

>>[Maria Lydia] Candidato Celso Russomanno do PRB.

>>[Celso Russomanno] Eu Quero agradecer a TV Gazeta, Fundação Cásper Líbero, em nome de todos os funcionários desta fundação onde eu comecei a minha vida fazendo televisão. Eu quero me dirigir aos candidatos aqui dizendo a eles que o debate foi democrático. É assim que a gente acrescenta a democracia. Eu quero falar com você que está me assistindo, que acredita no meu trabalho, na minha experiência de cinco mandatos de deputado federal, mais de 26 anos e defesa do consumidor todos os dias. Eu quero dizer para você que com a auto-estima, prestigiando o funcionário público e dando o plano de carreira, eu tenho certeza que vamos fazer serviços públicos de qualidade. Eu vou estar do seu lado defendendo o serviço público O que você espera da cidade de São Paulo. Muito obrigado.

>>[Maria Lydia] Pelo sorteio, as considerações finais agora é do candidato Fernando Haddad do PT.

>>[Fernando Haddad] Agradeço a oportunidade. Lembro ao telespectador que há 3 semanas fazem basicamente as mesmas propostas. Parte já sendo executadas pelo atual governo como praças com wi-fi, CEUs. O que nos difere é que os três candidatos que eu citei, o governo que quer mudar a Constituição e congelar por 20 anos sem programas sociais, defendem uma coisa diante das câmeras, defendem outra completamente diferente em Brasília. Se a proposta for aprovada, nenhum de nós vai conseguir cumprir o que está prometendo da campanha. Eu estou do mesmo lado, eu amo as mesmas pessoas. Eu sou leão. Eu estou do seu lado fazendo corredores de ônibus, hospitais e creches por toda cidade. Boa noite muito obrigado.

>>[Maria Lydia] Vamos às considerações finais do candidato João Doria. Um minuto.

>>[João Doria] Muito obrigado a TV Gazeta, Estadão, Twitter, jornalistas, candidatos também. Eu sou um administrador, é assim que vamos fazer para gerir e administrar a cidade de São Paulo, democraticamente e fazendo valer o que ela mais precisa, saúde, transporte público e também na geração de empregos e oportunidades. Eu sei fazer isso como, empresário faremos isso para permitir para que você tenha mais oportunidades de emprego e também para ser um empreendedor. Quero lembrar o apoio aos jovens, mulheres, e negros, minorias, capacidade de fazer uma gestão transformadora, colocar cidade de São Paulo no parque amar que ela merece. Eu quero como o gestor e como administrador, fazer São Paulo uma cidade mais justa e mais digna.

>>[Maria Lydia] Encerramos agora com as considerações finais da candidata Luiza Erundina.

>>[Luiza Erundina] Termino fazendo um apelo aos que nos acompanharam nesse debate, para que não desistam da política, valorize o seu voto. Não vão na onda daqueles que negam a política. Vamos juntos construir São Paulo, que a partir de São Paulo, ajuda a reconstruir o Brasil. Vote nas candidatas e candidatos a vereadores do PSOL, a partir do nosso governo, fortalecer as subprefeituras, colocar o poder perto do público para que o povo defenda que é do seu interesse. Vamos defender a democracia, vamos defender o estado democrático de direito, vamos denunciar mais uma vez o golpe que aconteceu em nosso país.

>>[Maria Lydia] Obrigada a todos os candidatos. Concluímos o debate da TV Gazeta em parceria com o Estadão e com o Twitter, entre os candidatos a prefeitura de São Paulo. A fundação Cásper Líbero agradece a presença dos candidatos, dos candidatos, nossos telespectadores, o empenho de todos que trabalham nesta casa para que tudo ocorresse bem como aconteceu. Estão certos e a ver contribuído para a melhor compreensão do processo eleitoral, condição para uma escolha consciente no próximo dia 2 de outubro. Uma boa noite a todos.

 

Tudo o que sabemos sobre:
Eleições

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.