Reprodução
Reprodução

Urna eletrônica é destruída no Maranhão

Foi o terceiro ataque a uma sessão de votação no município; antes, a sede do Centro de Referência e Assistência Social (CRAS) e uma outra escola já haviam sido alvos

Diego Emir, correspondente, O Estado de S.Paulo

02 de outubro de 2016 | 09h25

SÃO LUÍS - A onda de violência e os atentados criminosas seguem no Maranhão. Uma urna eletrônica foi completamente destruída, na madrugada deste domingo, 2, após um ataque à escola da rede municipal de ensino de São José de Ribamar na região metropolitana da capital maranhense. A Unidade Básica de Ensino Nice Lobão, na Vila Kiola, foi parcialmente incendiada.

Foi o terceiro ataque a uma sessão de votação no município. Antes, a sede do Centro de Referência e Assistência Social (CRAS) e uma outra escola já haviam sido alvos. Segundo o Tribunal Regional Eleitoral (TRE) do Maranhão, a urna já foi substituída e não haverá prejuízo à votação no local. 

O secretário de Segurança Pública do Maranhão, Jefferson Portela, chegou a revelar que os ataques ocorridos têm o objetivo de impedir a realização das eleições neste domingo, 2. “Vamos fazer a contenção deles (os ataques) até a segunda-feira, 3, considerando que eles têm uma pauta que nós não temos como responder, que é a não realização das eleições”, disse.

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Gilmar Mendes, e o ministro da Defesa, Raul Jungmann, visitaram a capital maranhense no sábado, 1º, para avaliar a situação, discutir o reforço da segurança nas Eleições 2016 e ver as estratégias traçadas entre governo do Maranhão, Prefeitura de São Luís e TRE-MA para assegurar as eleições municipais. Uma das agendas dos ministros será visitar a UEB Darcy Ribeiro, que foi incendiada na última quinta-feira, 29. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.