União vai pagar servidores de ex-territórios

O plenário da Câmara aprovou em votação simbólica, na noite de quarta-feira, projeto transferindo os servidores estaduais de Rondônia para a União. A alteração vai custar ao governo federal R$ 988,6 milhões, em 2014, e R$ 1,08 bilhão a partir de 2015.

BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

08 de março de 2013 | 02h11

Os servidores e empregados que integrarão os quadros da União continuarão trabalhando para o governo de Rondônia, na condição de cedidos e sem gastos para o Estado. O projeto atinge os servidores civis, militares e empregados que prestavam serviço ao então território na época da transformação em Estado, e ainda vai ser votado no Senado.

Na mesma sessão, os deputados aprovaram em primeiro turno emenda constitucional para também transferir servidores dos ex-territórios de Roraima e Amapá para A União. Depois de concluída a votação e promulgada a emenda, um projeto de lei vai prever a criação de cargos e carreiras, a exemplo do que foi feito ontem para os servidores de Rondônia.

No caso dos servidores de Roraima e Amapá, não há estimativa do custo para a União. O senador Romero Jucá (PMDB-RR) disse que devem ser atingidos 2 mil funcionários em Roraima. "Não é trem da alegria. É o reconhecimento de pessoas que trabalhavam na época do território e ficarão como servidores federais." / DENISE MADUEÑO

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.