'Tudo o que a gente faz aqui é pela presidenta'

No início da noite de ontem, o ministro José Elito, do Gabinete de Segurança Institucional, reconheceu a existência da "Ordem de Missão" da Agência Brasileira de Inteligência (Abin) sobre o movimento grevista nos portos, mas negou que tivesse mentido ao emitir, na semana passada, nota repudiando reportagem do Estado que revelou a existência de monitoramento de portuários.

O Estado de S.Paulo

09 Abril 2013 | 02h09

O general argumentou, desta vez, que o monitoramento foi amparado pela Lei 9.883, de 1999, que criou o Sistema Brasileiro de Inteligência. "A gente monitora tudo, assuntos que possam ser de interesse do País", afirmou. "Tudo o que a gente faz aqui é para assessorar a senhora presidenta e os órgãos de governo para decisões oportunas." "Não foi um monitoramento de movimento A ou B, mas de cenário", argumentou.

Segundo ele, "as preocupações do Estado eram em relação às consequências da paralisação". O documento, porém, cita "dirigentes sindicais ligados à Força Sindical".

O general José Elito disse que, ao admitir agora o monitoramento em portos não está contradizendo a nota que divulgou no último dia 4, em que declarou que "em nenhum momento o governo determinou ao GSI/Abin qualquer ação relativa ao tema referido na irresponsável reportagem do jornal".

Ele alegou que a nota tratava de questão "pontual", referindo-se à notícia de que agentes da própria Abin foram infiltrados no Porto de Suape, em Pernambuco. "A resposta foi pontual para uma questão pontual." / TÂNIA MONTEIRO e LEONENCIO NOSSA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.