Tucanos vão apoiar Fogaça em Porto Alegre

Na capital, atual prefeito e candidato do PMDB também contará com a adesão do PP, a ser anunciada nesta 5ª

Elder Ogliari, de O Estado de S.Paulo

08 de outubro de 2008 | 19h13

O PSDB e a governadora Yeda Crusius vão apoiar os candidatos José Fogaça (PMDB) em Porto Alegre, Fetter Júnior (PP) em Pelotas e Jurandir Maciel (PTB) em Canoas no segundo turno das eleições municipais. A decisão do partido foi anunciada pela presidente estadual da sigla, a deputada estadual Ziláh Breitenbach, no final da tarde desta quarta-feira. Yeda já havia sinalizado sua opção durante a manhã, em entrevistas à imprensa gaúcha. O apoio em bloco foi facilitado por uma coincidência. Os três candidatos são filiados a partidos que integram a base parlamentar do governo estadual na Assembléia Legislativa e enfrentam concorrentes do PT, de oposição. Na capital, Fogaça também contará com a adesão do PP, a ser anunciada nesta quinta-feira, e pode conquistar o DEM nos próximos dias. O prefeito espera ainda por uma definição do bloco de partidos que apoiou Manuela D'Ávila no primeiro turno. Se a coligação optar por um apoio em bloco, ficará com o peemedebista. Se cada sigla for liberada para seguir seu caminho, Fogaça ganha o PPS e Maria do Rosário tem mais chances de conquistar o PC o B e o PSB, que são da base de apoio do presidente Luiz Inácio Lula da Silva.  Fogaça optou por retornar à prefeitura e só fazer campanha em horários vagos na primeira metade da semana. Na noite de terça-feira, ele tratou de mobilizar os 150 filiados aos partidos de sua aliança (PMDB-PDT-PTB) que concorreram à Câmara de Vereadores, chamando-os de "exército de líderes que nenhuma outra coligação tem" e conclamando-os a conquistarem a vitória como "guerreiros do voto". Além disso, o prefeito vai prorrogar a licença dos oito secretários que disputaram vagas no parlamento municipal até o final do segundo turno, para que participam ativamente da campanha. Fogaça deve dar expediente na prefeitura nesta quinta-feira e iniciar novo período de licença na sexta-feira. A concorrente do prefeito, Maria do Rosário (PT), está usando a semana para reuniões internas e gravação de programas de televisão, mas inclui nas atividades pelo menos uma saída por dia para contato com os eleitores. Estrategicamente, a candidata visitou unidades de saúde fechadas ou em situação precária na zona leste, na terça-feira, e creches comunitárias na zona sul, nesta quarta-feira. No segundo turno, a campanha petista vai tentar expor as dificuldades das mães que não tem com quem deixar seus filhos na hora do trabalho e as deficiências no atendimento à saúde como pontos fracos de Fogaça. A campanha de Maria do Rosário já está conformada com ausência do presidente Luiz Inácio Lula da Silva no palanque de Porto Alegre, mas segue apostando no vínculo do projeto local com o governo federal. "Eu gostaria que ele viesse, mas de toda a forma vou fazer a presença dele estar comigo, como fiz até agora", destaca a candidata.

Tudo o que sabemos sobre:
eleições 2008FogaçaPMDB

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.