REUTERS/Rodolfo Buhrer
REUTERS/Rodolfo Buhrer

Tucanos que apoiam Haddad pedem 'profunda autocrítica' à candidatura do PT

Em nota, o movimento 'Esquerda Pra Valer' reforça que o apoio é destinado ao candidato, e não ao PT, respeitando a posição de neutralidade decidida pela cúpula do PSDB

Daniel Weterman, O Estado de S.Paulo

11 Outubro 2018 | 19h06

A corrente do PSDB que declarou apoio ao candidato Fernando Haddad (PT) no segundo turno da campanha presidencial emitiu uma nota para oficializar o posicionamento e cobrar uma "profunda autocrítica" da campanha petista nas eleições 2018. No documento, o movimento Esquerda Pra Valer reforça que o apoio é destinado ao candidato, e não ao PT, respeitando a posição de neutralidade decidida pela cúpula do PSDB.

"Avaliamos que um eventual retorno do PT ao governo federal só poderá garantir o respeito aos princípios democráticos se a candidatura de Fernando Haddad promover uma profunda autocrítica sobre a convivência republicana com as oposições e a forma de construção da governabilidade, com o respeito aos valores éticos que devem nortear a administração pública", diz a nota, assinada pelo coordenador nacional da corrente, Fernando Guimarães, e pelo secretário-geral do EPV, Douglas Gomes.

O movimento avalia que a presença de uma "candidatura protofascista" representa a ascensão de um projeto autoritário no País, em referência ao candidato Jair Bolsonaro (PSL). Ao defender o apoio, a corrente tucana lembra que o partido já se juntou a adversários em eleições anteriores, como quando apoiou Luiz Inácio Lula da Silva no segundo turno de 1989 contra a eleição de Fernando Collor de Mello.

O documento ressalta que o apoio não representa a opinião de nenhum parlamentar ou liderança tucana ligada à corrente. O movimento promete ainda excluir qualquer filiado da tendência que se manifeste favorável a Bolsonaro. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.