Tucanos planejam explorar escândalo no 7 de Setembro

Juventude do partido se aproxima do Anonymous para engrossar atos que vêm sendo divulgados via internet nos últimos dias

Pedro Venceslau, O Estado de S.Paulo

16 de agosto de 2013 | 02h10

A juventude do PSDB paulista planeja colocar o julgamento do mensalão, que foi retomado anteontem, na agenda política das manifestações no Estado. Como isso, os tucanos pretendem tirar pelo parte da pressão das ruas do Palácio dos Bandeirantes, que se tornou alvo depois que o caso Siemens veio à tona. Segundo Paulo Mathias, presidente da Juventude do PSDB paulista, há uma articulação em curso dos tucanos com os braços jovens da Rede, DEM, PPS, PV e até mesmo partidos de esquerda como PSOL e PCB.

Esse grupo, que já está unido para lançar uma campanha contra o monopólio da UNE (União Nacional dos Estudantes) na emissão das carteiras de identificação estudantil, pode estar junto em uma grande manifestação pela ética no feriado do dia 7 de Setembro.

"Vamos mobilizar nossa base no movimento estudantil e produzir panfletos, faixas e cartazes pedindo a prisão dos condenados no mensalão", diz. Dirigentes da juventude municipal tucana se aproximaram do grupo Anonymous, que também planeja ações sobre o mensalão em todo Brasil no feriado.

Alerta Em reunião com o secretário da Casa Civil, Edson Aparecido, na última segunda-feira, o vereador paulistano Floriano Pesaro, líder do partido na Câmara, alertou que vereadores do PT estavam se mobilizando "de forma orgânica" para direcionar os protestos de quarta-feira contra o governador Geraldo Alckmin.

"Não vamos seguir os mesmos passos do PT, que instrumentaliza o movimento, mas pediremos a punição aos condenados do mensalão", disse Pesaro. As alas jovens do partido pretendiam participar das manifestações de quarta-feira, mas foram desaconselhadas pelos dirigentes. Apesar da iniciativa de ir às ruas no feriado de 7 de Setembro, até dirigentes do PSDB duvidam que a legenda consiga mobilizar sua militância. "O PSDB nunca teve massa para colocar na rua", diz o ex-governador e vice-presidente nacional da sigla, Alberto Goldman.

Tudo o que sabemos sobre:
protestoprotestos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.