Tucano propõe 'bateu, levou' por Alckmin

Militante do PSDB convoca o partido, por e-mail, para defender governador de protestos organizados por PSTU, PSOL e PT

JULIA DUAILIBI, O Estado de S.Paulo

04 de fevereiro de 2012 | 03h05

Mensagem enviada por integrante do PSDB aos militantes do partido conclama os tucanos a "defenderem o governador" Geraldo Alckmin e fala em "bateu, levou". O texto, mandado por e-mail a cerca de 850 pessoas da sigla, destaca: "Colocou a mão, a cobra vai piar e a pêa (pau) vai descer".

A mensagem foi escrita pelo tucano Edson Marques, que é jornalista e mantém um blog com informações para a militância do partido. De acordo com Marques, tucanos do Jardim Helena, extremo leste da capital paulista, souberam que integrantes do PSOL, PSTU e PT da região programavam uma manifestação contra a ação da Polícia Militar no Pinheirinho durante agenda do governador hoje de manhã, no Parque Ecológico do Tietê.

Marques resolveu, então, convocar a militância para "defender" Alckmin de eventuais ataques. "Vamos todos pra lá, tucanada. Bateu, levou. Não tem conversa", diz a mensagem. Nos últimos dez dias, o secretário estadual Andrea Matarazzo (Cultura) e o prefeito Gilberto Kassab foram alvos de protestos durante eventos oficiais de governo.

A equipe de Alckmin passou a monitor ar redes sociais para tentar evitar a presença do governador em agendas com potencial de protesto. O Palácio dos Bandeirantes não pretendia desmarcar o compromisso de hoje.

Malandro. "É isso mesmo. Não vou negar, não. Esperamos que não batam. Mas não temos vocação para mulher de malandro", declarou Marques ao Estado, depois de afirmar que a mensagem é uma iniciativa da militância, sem relação com a executiva do partido ou com o governo.

Questionado sobre o significado de "descer a pêa (pau)", o tucano afirmou que se referia a "aplicar um corretivo".

O presidente do PSDB municipal e secretário estadual de Planejamento, Julio Semeghini, disse que discorda do teor da mensagem e que o e-mail não é uma convocação oficial da legenda.

"São coisas pessoais, não do partido", disse Semeghini. O PSDB municipal chegou a mandar convite chamando a militância para participar da agenda de Alckmin hoje. No e-mail, que traz o horário e o endereço do evento, o partido diz: "Sua presença é muito importante."

Já no texto de Marques, há fotos dos ataques a Matarazzo, a Kassab e ao governador Mario Covas (1930-2001), que entrou em conflito com professores grevistas e acabou agredido em 2000. "Foi assim que acabamos com a patifaria contra o Covas em 2000. Nos juntamos, mobilizamos a velha e aguerrida tropa de choque e partimos pro pau", disse Marques no e-mail.

"Vamos todos defender o direito do nosso governador de governar livre e democraticamente. Protestar é um direito democrático e disso não abrimos mão. Agora agredir, não", completa.

Para Marques, em época de eleição, os adversários dos tucanos "voltam a agir".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.