JB NETO/ESTADÃO
JB NETO/ESTADÃO

Tucano promete Bilhete Único de seis horas em SP

Proposta, que não consta no plano de governo apresentado pelo tucano, reforça embate com Haddad

Bruno Boghossian - Agência Estado,

25 de outubro de 2012 | 09h41

SÃO PAULO - A quatro dias do 2.º turno, o candidato do PSDB a prefeito de São Paulo, José Serra, prometeu estender de três para seis horas a validade do Bilhete Único. A proposta não consta no plano de governo apresentado pelo tucano, mas reforça seu embate com o petista Fernando Haddad, que tem como bandeira de campanha a criação de uma tarifa mensal para ônibus.

O projeto exigiria que a Prefeitura pague mais R$ 500 milhões por ano a operadoras de ônibus e ao sistema de transporte sobre trilhos para compensar o benefício. Em 2012, o município pagará R$ 772,5 milhões às empresas de ônibus para a manutenção da tarifa.

Os detalhes do projeto foram fechados nesta quarta-feira, 24, pela equipe de marketing de Serra. No modelo tucano, os paulistanos poderão viajar por até seis horas, com a manutenção das tarifas de R$ 3 para ônibus e de R$ 4,65 quando houver integração com metrô ou trens.

Serra também propôs a ampliação do Bilhete Amigão, que hoje permite que o passageiro viaje por até oito horas com o pagamento de uma única tarifa. Ele promete estender o benefício para o período de 14h de sábado às 22h de domingo. "É um impacto importante no bolso das pessoas. No fim de semana, é também um estímulo ao lazer", disse.

A intenção da campanha de Serra é tratar a nova proposta como um projeto mais "factível" que o Bilhete Único Mensal de Haddad.

No projeto petista, o paulistano pagaria R$ 140 por mês para viajar quantas vezes quisesse. O custo para a Prefeitura seria de R$ 400 milhões por ano. O tucano citou a proposta nesta quarta no debate do SBT. Haddad disse que o projeto "é uma coisa que (Serra) inventou de última hora para enfrentar o debate sobre transporte". As informações são do jornal O Estado de S. Paulo

Tudo o que sabemos sobre:
eleições 2012SPSerrabilhete único

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.