Tucano pede a pré-candidatos que desistam das prévias

Para Reis Lobo, que já presidiu PSDB paulistano, partido 'não será competitivo' com nenhum dos quatro nomes

JULIA DUAILIBI, O Estado de S.Paulo

10 de fevereiro de 2012 | 03h09

O ex-presidente municipal do PSDB José Henrique Reis Lobo disse ontem que os pré-candidatos tucanos deveriam desistir das prévias para escolher o candidato à Prefeitura de São Paulo, marcadas para o dia 4 de março.

"Com todo o respeito aos pré-candidatos, há uma impressão generalizada de que, com qualquer deles, o partido não será competitivo", disse Lobo, que foi secretário estadual de Relações Institucionais de José Serra. "Acho que todos têm consciência disso e não deveriam ter constrangimento de retirá-las para possibilitar uma melhor reflexão sobre o assunto."

Ontem, em artigo publicado na Folha de S.Paulo, Lobo disse que as prévias "estão metendo o partido numa encalacrada sem tamanho" e que a legenda corre o risco de perder as eleições.

O ex-presidente do partido acha que Serra deveria ser o candidato. "Não sei se vai ou não ser candidato, mas, na minha opinião, é o melhor nome. Deveria ser", afirmou ao Estado.

O grupo de Serra defende aliança com o PSD, do prefeito Gilberto Kassab, em torno do nome do vice-governador, Guilherme Afif Domingos. Lobo disse que há uma "dificuldade" neste momento para entregar a cabeça de chapa ao vice. "Se essa possibilidade viesse sendo construída há mais tempo, talvez. Agora, tenho sérias dúvidas", afirmou.

As declarações de Lobo despertaram repercussão no partido e foram mal-digeridas pelos pré-candidatos, os secretários Andrea Matarazzo (Cultura), Bruno Covas (Meio Ambiente) e José Aníbal (Energia) e o deputado Ricardo Tripoli.

Matarazzo reuniu-se anteontem com o governador Geraldo Alckmin e, segundo o Estado apurou, disse a ele que, caso vença a prévia, lhe delegará o comando do processo eleitoral.

Representação. O PT entrou com representação na Procuradoria Regional Eleitoral de São Paulo na qual pede que sejam investigadas informações divulgadas ontem pelo Estado sobre o uso de estruturas de comunicação de secretarias estaduais pelos pré-candidatos do PSDB.

"A conduta praticada pelos ofensores é vedada pela nossa legislação, que proíbe ceder ou usar, em benefício de candidato, partido político ou coligação, bens móveis ou imóveis pertencentes à administração pública", diz na representação o líder do PT, Ítalo Cardozo. "Os fatos são graves, atentam contra a legislação eleitoral e necessitam ser coibidos pela Justiça com as penalidades cominadas pelo nosso ordenamento jurídico", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.