Tucano invoca 'amizade desde criancinha' em aliança

Ao receber apoio do PSD de Kassab ontem, Serra pediu que integrantes da coalizão deixem de lado as disputas internas

PAULA BONELLI, O Estado de S.Paulo

13 de maio de 2012 | 03h02

Ao receber o apoio oficial do PSD, partido criado pelo prefeito Gilberto Kassab, o pré-candidato do PSDB à Prefeitura, José Serra, pediu coesão na aliança e o fim de disputas internas. "Vamos ter uma batalha dura. Temos que ter coesão. Todo mundo amigo desde criancinha, porque tudo que o adversário quer é a gente dividido", alertou. Na prévia que o homologou como candidato Serra teve 52% dos votos, o que expôs a divisão do partido.

Além disso, há controvérsias no arco de alianças do tucano, que já conta com apoio do DEM e do PV, além do PSD. Dirigentes do DEM acusam Kassab de ter fragilizado o partido para criar o PSD, já que vários políticos migraram de uma legenda para a outra. O ato de adesão formal do PSD ontem contou com a presença de Kassab, do governador Geraldo Alckmin, e do vice-governador Guilherme Afif, além de dirigentes dos dois partidos.

Kassab, que antes da definição de Serra sobre a candidatura ensaiou uma adesão ao PT, disse que o tucano disputa "não por vaidade, mas para servir à capital". Sobre a entrada do DEM na coligação, Kassab negou qualquer mal-estar: "É uma alegria muito grande. Quanto mais ampla a aliança, melhor".

O governador Geraldo Alckmin provocou o PT, cuja candidatura de Fernando Haddad foi arquitetada pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. "Serra não é candidato do bolso do colete de ninguém. Ando nas ruas e sinto que as pessoas querem uma pessoa experiente."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.