Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Alckmin evita usar norma do PSDB que permite intervenção em diretórios estaduais

Como presidente do partido, presidenciável poderia vetar candidaturas do PSDB que atrapalhem a estratégia nacional

Pedro Venceslau, O Estado de S.Paulo

26 Maio 2018 | 05h00

Uma reclamação recorrente de aliados do ex-governador Geraldo Alckmin dentro e fora do PSDB é que o tucano demorou para buscar apoios regionais e estruturar sua pré-campanha.

Embora tenha sido eleito presidente nacional do PSDB em dezembro do ano passado, o tucano só começou a montar seu palanque e a viajar pelo País em abril, quando renunciou ao Palácio dos Bandeirantes. 

+++Alckmin busca palanques alternativos nos Estados

Candidato do PSDB à Presidência em 2014, o senador Aécio Neves (MG) assumiu o comando da sigla em maio de 2013 e logo em seguida iniciou uma intensa agenda de viagens. 

Há quatro anos, Aécio tinha o controle total dos diretórios e candidaturas estaduais. Para remover dissidências internas, ele promoveu uma resolução dando carta branca ao presidente do partido para vetar candidaturas estaduais que prejudicassem a estratégia nacional. 

+++Doria acirra disputa com França na corrida ao governo

Alckmin poderia usar essa mesma regra do estatuto, mas tem evitado. Um exemplo é o caso de Mato Grosso. Lideranças locais e nacionais do PSDB classificam como “muito frágil” a situação do governador tucano Pedro Taques, que disputa a reeleição. 

O governador é investigado pelo Superior Tribunal de Justiça no chamado “escândalo dos grampos”, que envolveu uma central de interceptações telefônicas clandestinas contra adversários políticos. O partido estimula o DEM, aliado do PSDB no Estado, a lançar um candidato para ampliar o número de palanques para o ex-governador sem ter de rifar Taques. O segundo palanque pode ser o ex-senador Jayme Campos ou o ex-prefeito de Cuiabá Mauro Mendes, ambos do DEM. 

+++Ciro articula 24 partidos em torno de petista

“A campanha está estruturada para começar agora. Quando governador, Geraldo Alckmin cumpriu um rito. É o estilo dele. Não quis começar antes”, afirmou o cientista político Luiz Felipe D’Ávila, um dos coordenadores da pré-campanha tucana. A equipe de comunicação do tucano foi contratada semana passada. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.