Tucano admite 'clima cordial'com adversário

Serra confirmou que participou de reunião com campanha de Russomanno, mas negou 'pacto' entre eles

BRUNO BOGHOSSIAN, O Estado de S.Paulo

25 de julho de 2012 | 03h07

O candidato a prefeito de São Paulo pelo PSDB, José Serra, admitiu que não pretende atacar Celso Russomanno (PRB) na disputa eleitoral, apesar de negar que tenha firmado um pacto com o adversário. O tucano confirmou ter participado de uma "reunião de cortesia" com Marcos Pereira, coordenador da campanha adversária, e disse que há um clima cordial entre as duas candidaturas.

"Não se falou (sobre um pacto). Naturalmente, está implícito: se você conversa com alguém, não há disposição de agressões recíprocas", afirmou o tucano.

Serra diz defender um entendimento entre todos os candidatos "a respeito de fazer uma campanha sem agressões pessoais, que permita discutir a cidade".

O tucano já disse a interlocutores que Russomanno seria um adversário "muito mais fácil" no segundo turno do que Fernando Haddad (PT). Aliados de Serra também acreditam que o candidato do PRB pode ajudar a evitar o crescimento do petista, ainda no primeiro turno, dada sua popularidade na periferia.

Publicamente, Serra evita o assunto. "Eu não vou dizer com quem eu me sentiria mais ou menos confortável (no segundo turno). Eu vou me sentir confortável se ganhar a eleição."

Ontem, o tucano fez uma breve caminhada em Parelheiros, região com eleitorado tradicionalmente petista. Ele ouviu reclamações de moradores que diziam rejeitá-lo e declaravam que votariam no PT, mas não sabiam o nome de Haddad.

A vendedora Grazielle Conceição reclamou da falta de atendimento médico no bairro, mostrou para Serra a tatuagem de uma estrela preta no braço e gritou: "Aqui é PT".

Depois que o candidato tucano afastou-se, um grupo disse que votaria "no 13" (número do PT) e "no homem que tá com a Dilma" (em referência a placas publicitárias que exibem Haddad com a presidente Dilma Rousseff).

Mesmo mergulhado em um reduto petista, Serra posou para fotos com eleitores e conversou com comerciantes. Prometeu fazer investimentos em transportes e na preservação do meio ambiente.

No fim do evento, um segurança da equipe de Serra agrediu um repórter com uma cotovelada e um chute. O jornalista revidou com uma cabeçada. O coordenador de comunicação do candidato telefonou para o repórter e pediu desculpas pelo episódio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.